Zeitune diz que maço de dinheiro pode ter sido fotografado em seu escritório

Zeitune diz que maço de dinheiro pode ter sido fotografado em seu escritório

Na medida em que os trabalhos da Comissão Especial de Inquérito (CEI) avançam, novas denúncias contra o vice-prefeito Alexandre Zeitune (Rede) surgem para análise da Câmara Municipal. No encontro desta segunda-feira (16), os parlamentares discutiram a relação do dirigente municipal com a possibilidade de pagamento de suposta extorsão.

Sobre a foto publicada com exclusividade nas redes sociais do HOJE, em que Zeitune aparece ao lado de um maço de dinheiro, ele disse à comissão que a foto parece te sido tirada no seu escritório e que o dinheiro pode ter sido repassado pelo seu cliente Paulo Zhu, com o qual mantém relações advocatícias.

“No meu escritório de advocacia trabalho como gestor de varejo (…) Me parece que [a foto] foi feita em meu escritório (…) observo bolo de [notas] de R$ 20, e pode ter sido um dos pagamentos que ele me fez e vem fazendo por conta da minha gestão de varejo”, afirmou Zeitune; em vários momentos do depoimento, ele demonstrou irritação com as perguntas feitas pelos vereadores.

Em depoimento à comissão, Zeitune ressalta que não lembra em que momento a imagem foi produzida. “Quem conhece o meu trabalho sabe que trabalho só com a iniciativa privada. Com essa pessoa eu tenho relação comercial, além de fazer negócios com ele no varejo”, informou. Zeitune voltou a falar que vem sendo vítima de uma “perseguição política”. “Não tenho nada a temer. Essa foto é mais um ato intimidatório. Mais um ato de perseguição política”, concluiu.

 

Presidente rejeita nova denúncia envolvendo empresa de transporte

 

O presidente da Comissão Especial de Inquérito (CEI), vereador Marcelo Seminaldo (PT), rejeitou a inclusão da nova denúncia contra o vice-prefeito Alexandre Zeitune (Rede) por suposto ato de improbidade administrativa, envolvendo o transporte, estoque e distribuição de kits escolares na época em que ele era secretário de Educação. A denúncia foi protocolada na Câmara na quinta-feira (12) pelo empresário Ricardo Nunes de Souza, proprietário da WR Serviços e Logística.

Agora, o processo volta para a presidência da Câmara Municipal que deverá encaminhar a denúncia para decisão do plenário, que poderá arquivá-la ou determinar a abertura de uma nova comissão para investigar o caso.

“Eu entendo que esta denúncia não guarda qualquer relação com objeto que a gente investiga. Eu peço que devolva o processo à presidência da Casa”, enfatizou Seminaldo durante reunião da CEI.

Antônio Boaventura

antonio.boaventura@guarulhoshoje.com.br

 

 

Deixe seu Comentário