Boris Johnson: vacina (contra covid-19) tem que ser acessível a todos que precisam

Anfitrião da Cúpula Global de Vacinas, iniciada nesta quinta-feira, o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, reuniu alguns chefes de Estado e de governo para tentar arrecadar US$ 7,4 bilhões para imunizar 300 milhões de crianças em todo o mundo até 2025. Segundo ele, as vacinas têm que estar acessíveis a todos que precisam no mundo, em especial em países mais pobres. “Nossa missão hoje é lutarmos juntos contra doenças”, afirmou numa rápida participação na abertura.

Dos jardins da Casa Branca, em Washington, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, agradeceu o líder britânico pelo convite de participar no evento e desejou a ele boa sorte na arrecadação dos recursos. “O coronavírus mostra que não há fronteiras no mundo”, disse o líder americano.

No mesmo evento, o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, afirmou que todas as vacinas são importantes para a humanidade e que precisam ser acessíveis. Ele afirmou que, quando descoberta, a imunização da covid-19 também será um “bem mundial”. Na mesma linha, a primeira-ministra da Noruega, Erna Solberg, também fez uma curta declaração dizendo que a vacinação contra todas as doenças é uma questão de saúde mundial e garantindo que “ninguém será deixado para trás”.

Os recursos que serão arrecadados nesta quinta-feira serão destinados à Gavi, a Aliança da Vacina, uma organização internacional criada em 2000 para melhorar o acesso à vacinação nos países mais pobres do mundo. O dinheiro é considerado vital não apenas para proteger as crianças de doenças mortais como poliomielite, difteria e sarampo, com a previsão de que até 8 milhões de vidas sejam salvas, mas também para ajudar a garantir a recuperação global da pandemia de coronavírus.

O evento deve durar algumas horas ao longo o dia com a participação de vários outros chefes de Estado e de governo. Está previsto que Johnson volte para o fechamento do evento, acompanhado no evento por Bill Gates, copresidente da Fundação Bill & Melinda Gates, e pelo presidente do Conselho da Gavi, Ngozi Okonjo-Iweala.