Policial do Paraná preso após fazer refém no Aeroporto de Guarulhos viajava para visitar familiares na Bahia

O policial militar preso após fazer refém uma funcionária da empresa aérea Gol no Aeroporto Internacional de Guarulhos na noite deste domingo (11) viajava para visitar familiares na Bahia. A identidade do policial não foi informada.

A informação foi divulgada nesta segunda-feira (12), pela Polícia Militar do Paraná (PM-PR), que destacou que ele “sempre foi considerado um excelente policial tanto por seu comandante imediato, quanto por seus companheiros de serviço”.

O homem, de 36 anos, atua na Polícia Ambiental Força Verde em Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná, há sete anos e nunca havia apresentado problemas.

Segundo a Polícia Federal, ele teve um surto e usou um lápis para ameaçar a funcionária da companhia aérea.

A PM-PR informou que o soldado libertou a funcionária refém após conversar com o comandante imediato dele, por vídeo-chamada, que o convenceu a soltá-la. Agentes da PF também negociaram com o homem, que se rendeu.

A refém não teve ferimentos e passa bem, segundo a PF e a companhia aérea.

Em nota, a GRU Airport, concessionária que administra o terminal informou que a “ocorrência foi controlada em poucos minutos pela Polícia Federal, em total segurança e não houve feridos. O incidente não impactou as atividades e as operações do aeroporto. O passageiro foi encaminhado para delegacia e as causas da ocorrência estão sendo apuradas pelas autoridades competentes”.

Já a Gol disse estar ciente do ocorrido e informou que “está dando todo o suporte necessário à colaboradora, que não sofreu quaisquer ferimentos e encontra-se bem. A Polícia Federal está no comando das investigações e a companhia está à disposição para prestar todo o suporte necessário. A ocorrência ficou restrita à sala de embarque do aeroporto e o envolvido no caso não era passageiro da GOL em nenhum dos seus trechos de origem ou destino”.