Conselho de Aeroportos recomenda que novas restrições não sejam reintroduzidas

Foto: Olivia Villegas

O Conselho Internacional de Aeroportos para a América Latina e o Caribe (ACI, na sigla em inglês) divulgou nota recomendando aos governos que evitem reintroduzir medidas restritivas às viagens aéreas para “não comprometer a recuperação da indústria da aviação e turismo”. “Durante 2021, os importantes avanços na vacinação foram acompanhados pela eliminação de muitas das medidas restritivas ao transporte aéreo em todos os países da nossa região, traduzindo-se numa melhoria progressiva na recuperação do tráfego aéreo”, disse a associação

Em janeiro de 2021, o tráfego nos aeroportos latino-americanos representava 45% do mesmo mês de 2019, enquanto em novembro do ano passado a recuperação representou 73% ante igual período daquele ano.

“A revisão de nossas expectativas dependerá, acima de tudo, de reações precipitadas ou não por parte dos governos. A Ômicron está rapidamente se tornando a variante dominante na maioria dos países e, de acordo com o Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças (ECDC), as restrições de viagem são ineficazes do ponto de vista da saúde pública e muito prejudiciais econômica e socialmente.”

Conforme a associação, um estudo realizado pelas consultorias Oxera e Edge Health sobre o impacto das restrições de viagens aéreas na disseminação de variantes no Reino Unido mostrou “que as restrições de viagem são ineficazes na prevenção da disseminação de uma nova variante e que apenas a retardam um pouco”.

O comunicado acrescenta que, da mesma forma, o estudo mostra que os requisitos de testes adicionais estabelecidos pelo governo britânico “não tiveram efeito na prevenção da disseminação da Ômicron, concluindo que, uma vez que a variante esteja presente em um território, as restrições de viagem não servem para impedir sua disseminação”.

A ACI destaca que os países devem continuar a aplicar uma abordagem “baseada em evidências” e riscos ao implementar medidas de viagem. “Além disso, restabelecer a proibição de viagem não é apoiado pela Organização Mundial da Saúde (OMS)”.

Segundo o diretor-geral da ACI-LAC, Rafael Echevarne, “o transporte aéreo tem se mostrado um meio seguro e os aeroportos latino-americanos têm sido muito responsáveis, implementando todas as medidas recomendadas pelos organismos internacionais para prevenir o contágio”.

O dirigente salienta que a melhor maneira de combater a covid-19, incluídas todas as suas variantes, “são a vacinação da população, o uso adequado de máscaras e os protocolos de limpeza”.

- PUBLICIDADE -