Prefeitura recebe inscrições para o curso Mulheres Negras em Foco até o dia 26

Foto: Tânia Rêgo

A Subsecretaria da Igualdade Racial (SIR) de Guarulhos receberá as inscrições para o curso Mulheres Negras em Foco até 26 de julho por meio do link https://bit.ly/cursomulheresnegras. A atividade faz parte da 14ª Semana da Mulher Negra, Latinoamericana e Caribenha de Guarulhos e terá duração de oito horas em formato virtual e certificação.

As aulas serão estruturadas em três encontros. O primeiro, no dia 27, abordará a perspectiva teórica de gênero e será ministrada por Elisa Castro, socióloga da SIR e membro do Conselho de Políticas para Mulheres de Guarulhos.

O segundo, no dia 28, terá o tema mulheres negras, com Greice Oliveira, assistente social, especialista em gestão pública pela Unifesp e membro do Conselho de Promoção da Igualdade Racial de Guarulhos.

Já no último dia, 29, o tema discutido será mulheres afrolatinas caribenhas, com explanação de Andréa Rosendo, jornalista e doutoranda na Universidade de São Paulo e mestre em comunicação pela Universidade Federal do Paraná.

Sobre o dia 25 de julho

Em 25 de julho é celebrado o Dia da Mulher Negra Latinoamericana e Caribenha, data instituída durante o 1º Encontro de Mulheres Afro-latino-americanas e Afro-caribenhas, realizado em 1992 em Santo Domingo (República Dominicana), no qual as mulheres discutiram machismo, racismo e as formas de combatê-los.

No Brasil, a lei 12.987/2014 define a data como o Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra, em menção à líder do quilombo Quariterê, no Mato Grosso, onde Tereza criou um parlamento local, organizou a produção de armas, a colheita e o plantio de alimentos e chefiou a fabricação de tecidos que eram vendidos nas vilas próximas.

A data objetiva dar visibilidade à história, à luta e às especificidades das mulheres negras, muitas das quais não são contempladas no movimento de mulheres em geral. A garantia dessas especificidades deve ser considerada, em especial na elaboração de políticas públicas, uma vez que mulheres negras são vítimas mais frequentes de violência obstétrica, abuso sexual e homicídio.

- PUBLICIDADE -