Criador de Fofão e Patropi, Orival Pessini morre aos 72

Com início de carreira no teatro, Pessini estreou na televisão no programa infantil “Quem Conta Um Conto”, na TV Tupi, em 1963. Na década de 70 interpretou os macacos Sócrates e Charles, do “Planeta dos Homens”, da Globo. Anos depois, no programa “Praça Brasil”, da Band, apresentou o personagem Patropi, que levaria mais tarde para os programas “Escolinha do Professor Raimundo (Globo), “A Praça é Nossa” (SBT) e “Escolinha do Barulho (Record)”.
Sucesso principalmente entre as crianças, o Fofão surgiu no programa “Balão Mágico”, da Globo, nos anos 1980. Mais tarde, o boneco ganharia seu próprio programa na Band, o TV Fofão, no qual apresentava desenhos animados.

Rei dos bordões e dos personagens mascarados, o ator nasceu em 1944, em São Paulo, e iniciou a carreira na televisão nos anos 1960, na TV Tupi. Na década seguinte, na Rede Globo, fez no programa “Planeta dos Homens” os macacos Charles e Sócrates, que falavam coisas filosóficas da forma mais ridícula possível.
Em 1983, coadjuvante do “Balão Mágico”, na Globo, criou seu personagem mais conhecido: Fofão, alienígena das grandes bochechas e do macacão jeans. Ganhou a própria atração na Band em 1986 e se somou ao palhaço Bozo no panteão dos personagens mais lembrados da década.
Com nariz de porco, pelos de urso, bochecha de São Bernardo e jeito de palhaço, Pessini dizia que havia se inspirado em “E.T.”, de Spielberg.

O personagem continuou no ar até 1997, na TV Gazeta.
Outro de seus tipos famosos, o Patropi era uma sátira aos bichos-grilos. Com ele, o humorista ecoou o bordão “Sei lá, entende?” em humorísticos da Globo e da Record.
Ele também foi o homem por trás das máscaras de Clô, do rabugento Ranulpho e do locutor esportivo Juvenal (do bordão “numa velocidade”).

Sem máscara, o ator participou da minissérie “Amores Roubados” (2014), da Globo, e de “Carrossel – O Filme”.
Nos últimos anos, ele ensaiava um retorno do Fofão e planejava relançá-lo em jogos para tablets e desenho animado. O projeto deu lugar ao DVD “Fofão Forever”, lançado no fim do ano passado.

Neste ano, quando um integrante da carreta Furacão, conjunto de adultos fantasiados, planejou ir a um protesto contra Dilma vestido de Fofão, Pessini vetou: “É uso indevido de imagem”, afirmou.
Divorciado, Pessini deixa filho e três netas. Foi enterrado no Cemitério Gethsêmani, na zona oeste de São Paulo.