Com 600 mil em multa, Sincoverg descarta adesão à Greve Geral

Com R$ 600 mil em multa, o Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários no Transporte de Passageiros, Urbano, Suburbano, Metropolitano, Intermunicipal e Cargas Próprias de Guarulhos e Arujá em São Paulo (Sincoverg), descartou a adesão da categoria na Greve Geral, e assim, não terá a paralisação de motoristas e cobradores de ônibus como ocorreu em outras duas ocasiões. Um dos motivos principais, além da falta de consenso entre as partes sindicais, é também a multa pela Justiça do Trabalho, no valor de R$ 600 mil, após não respeitar a decisão de manter parte da frota em circulação no horário de pico, durante as outras paralisações.

A assessoria do sindicato confirmou ao HOJE a decisão da não participação da categoria na greve desta sexta-feira (30). No inicio do mês, o sindicato começou a campanha salarial, e após recusar um aumento de 3%, a categoria entrou em estado de greve, porém, não aderiu a paralisação, e durante mais uma negociação, os motoristas e cobradores de ônibus aceitaram o aumento de 4%.

O Sincoverg é filiado a Central Única do Trabalhador (CUT), uma das principais centrais sindicais que articulam o movimento. Nesta sexta-feira (30), existe a possibilidade ainda não confirmada de paralisação dos metroviários em São Paulo, e também um protesto contra a reforma trabalhista do governo Michel Temer, no inicio da manhã na rodovia Hélio Smidt.

Reportagem: Ulisses Carvalho
[email protected]