SOS Mata Atlântica classifica como péssima a qualidade da água do rio Tietê em Guarulhos

A Fundação SOS Mata Atlântica classificou como péssima a qualidade da água do trecho do rio Tietê em Guarulhos. O estudo foi divulgado nesta sexta-feira (22), data em que se comemora o Dia do Tietê. O levantamento também classificou como ruim a qualidade no rio Baquirivu-Guaçu.

Para a fundação essa situação se deve ao fato de Guarulhos ser o município que mais desmatou na Bacia do Alto Tietê e também o que menos trata esgoto, jogando os resíduos in natura no Tietê.
Isso porque mesmo tendo três Estações de Tratamento de Esgotos (ETE) – Bonsucesso, São João e Várzea do Palácio – o esgoto doméstico não chega até elas. Segundo a prefeitura, no início deste ano, a atual administração apurou que Guarulhos tratava apenas cerca de 2,5% do seu esgoto. Nove meses depois, esse índice chega próximo a 6% devendo terminar este ano próximo aos 8%.

Segundo o estudo, houve uma diminuição de 7 km no trecho considerado morto, que agora tem 130 km de extensão. A mancha de poluição está localizada entre os municípios de Itaquaquecetuba e Cabreúva, representando hoje 22,5% do trecho monitorado de 576 km do rio, da nascente em Salesópolis até Barra Bonita. A avaliação da qualidade da água e da evolução dos indicadores de impacto do Projeto Tietê refere-se ao período de setembro de 2016 a agosto de 2017.
As análises da qualidade da água no local são realizadas desde 1993 por meio do projeto Observando os Rios.
TAC – Com o baixo tratamento dos resíduos da cidade, o Serviço Autônomo de Água e Esgotos (Saae) de Guarulhos reconhece e já informou ao Ministério Público Estadual que não será possível cumprir um Termo de Ajuste de Conduta, que determinava 80% de esgoto tratado até o final de 2017, já que não há recursos para a construção imediata de redes coletora.

Em nota a prefeitura ressaltou que “ao ingressar no município de Guarulhos, o rio Tietê já chega totalmente poluído, literalmente morto”.

Reportagem: Rosana Ibanez
Foto: Ivanildo Porto