Mais de 45,6 mil moradores devem ser desapropriados em Guarulhos

Um total de 45.677 moradores de Guarulhos devem ser desapropriados. Eles residem em mais de 10 mil imóveis construídos em áreas de risco espalhadas por diversos bairros da cidade que foram objetos de uma decisão judicial, a pedido do Ministério Público.

A maior parte das famílias reside na região do Pimentas, com quase sete mil áreas. Mas na relação constam ainda áreas no Jardim Ipanema, Cumbica, Monte Carmelo, Jardim Presidente Dutra, Mikail, Cidade Seródio, Vila Augusta, Santos Dumont, Bananal, Novo Recreio, Cabuçu e no Alvorada.
Muitas das residências ocupam setor de encosta, com alta declividade e alto risco de deslizamento. Em outros casos os imóveis estão às margens de córregos sem critério técnico por moradias de alvenaria, edificados sobre as margens e sobre o canal, com alto risco de inundação e solapamento. Há ainda famílias que residem em Áreas de Preservação Permanente (APP).

Em muitos casos a Justiça deu um prazo de 120 dias para que as famílias sejam removidas. Em outros destaca a necessidade de impedir novas construções e obras irregulares nos locais, sob pena de multa diária de R$ 5 mil.

A informação faz parte de um alerta feito pelo vereador Edmilson Souza (PT) ontem na Câmara Municipal. Segundo documentos apresentados por ele, as reintegrações de posse já começaram no Jardim Cambará. “É impraticável arrumar alojamento para todas essas pessoas. Precisamos nos reunir com a Secretaria de Habitação e com as lideranças do Ministério Público e da Defensoria Pública para buscar outra saída”, afirmou o parlamentar.

Reportagem: Rosana Ibanez
Foto: Ivanildo Porto