Dados da Secretaria de Saúde de Guarulhos apontam que no ano passado a Prefeitura realizou 236.289 consultas médicas a mais que em 2016, o que representa um acréscimo total de 10,2% em apenas um ano. Vários fatores contribuíram para essa melhoria na assistência, entre eles a qualificação do acesso na Rede de Urgência e Emergência, bem como a prioridade da atual gestão à Atenção Básica de Saúde, ou seja, ao atendimento primário realizado pelas Unidades Básicas de Saúde (UBS).

Analisadas isoladamente, as consultas na rede de Urgência e Emergência foram as que mais subiram, passando de 1.237.235 em 2016, para 1.382.209 em 2017. Esse avanço de 11,7% no período é resultado da qualificação do acesso aos serviços pela atual gestão, uma vez que a inauguração de mais duas UPAs, Jardim Paulista e Cumbica, contribuiu para ampliar em 18,3% a assistência nas unidades de pronto-atendimento 24 horas por dia: foram 837.757 consultas médicas em 2016 contra 991.136 em 2017.

Em contrapartida, caiu o número de assistência nos prontos-socorros dos hospitais, uma vez que as unidades hospitalares têm a missão de atender os casos de maior gravidade. Com isso, também houve aumento de 4,4% no número de internações realizadas nos hospitais sob gestão municipal, entre 2016 e 2017. Já nas unidades hospitalares estaduais houve redução de 0,1%. No que se refere às consultas de especialidades o incremento foi de 9,1%, passando de 336.684 para 367.348 no mesmo período.

Na Atenção Básica, área que terá ainda mais prioridade neste ano pela atual gestão, o número de consultas médicas subiu de 747.916, em 2016, para 808.567 em 2017, um acréscimo de 8,1% no período. O resultado é reflexo da reorganização do sistema e, principalmente, do pacote emergencial Saúde Agora implantado pelo prefeito Guti em maio do ano passado, por meio do qual teve início a abertura de UBS aos sábados, sendo pelo menos uma em cada região da cidade para ampliar o acesso da população à assistência.

A iniciativa já resultou em mais de 44 mil atendimentos realizados até agora, incluindo consultas médicas, odontológicas, exames, entre outros. “Esses dados mostram que nós estamos caminhando na direção correta para atender melhor as pessoas. Ou seja, a UBS está se tornando cada vez mais a porta de entrada do sistema e, em seguida, os casos de média e maior complexidade estão sendo atendidos nos PAs e Upas, deixando as unidades hospitalares para os casos de internações, que necessitam de procedimentos mais complexos”, destacou o secretário de Saúde, José Sérgio Iglesias Filho, durante audiência pública na Câmara Municipal, na semana passada.

Segundo o secretário, muitos casos de baixa e pequena complexidade eram atendidos nos hospitais. “É isso que, gradativamente, nós estamos colocando principalmente dentro das UPAs e PAs e, até mesmo, em alguns casos, nas Unidades Básicas de Saúde”, explicou. Da mesma forma, a secretária adjunta de Saúde, Graciane Dias Figueiredo Mechenas, avalia os avanços como resultado da reorganização do sistema. “Aprimoramos o acesso o que, consequentemente, refletiu na melhoria dos indicadores”, disse.

1 COMENTÁRIO

  1. A UBS Vila Galvão está sem clínico desde outubro uma vergonha.Ainda vem dizer que melhorou o atendimento médico? Tenho dois ecaminhamentos o do neuro quase dois anos e a mais de mês fisioterapia e nd tbm mas fazer o que se nem no clínico consigo passar?

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here