Legislativo deve investigar relação do aeroporto com a cidade de Guarulhos

Legislativo deve investigar relação do aeroporto com a cidade de Guarulhos

Após concluir a Comissão Especial de Estudos (CEE), que analisou a proibição do comércio de alimentos na área externa do Aeroporto Internacional de São Paulo-Guarulhos, em Cumbica, a Câmara Municipal deve instalar nos próximos dias uma Comissão Especial de Inquérito (CEI) para investigar quais são os parâmetros de tratamento do GRU Airport com a cidade.

Essa condição surgiu após as negativas da concessionária responsável pela gestão do aeroporto não comparecer a nenhum dos encontros realizados pelo legislativo, que tratou da proibição da entrega e comercialização de alimentos para os funcionários que trabalham nos terminais do equipamento.

Nesta quinta-feira (12), o vereador Eduardo Carneiro, líder do governo do prefeito Guti (PSB) na Câmara, irá apresentar o relatório final da comissão para avaliação dos vereadores. O parlamentar foi o relator. É dele também a proposta para instalação da Comissão Especial de Inquérito (CEI) para investigar a atuação do GRU Airport na cidade.

“O relatório aponta inúmeras irregularidades cometidas pelo GRU Airport, entre elas a proibição da aquisição de comida pelos funcionários nos terminais. Isso ficou comprovado com o documento enviado por eles no final do trabalho, em que eles afirmam que só respeitam a legislação federal”, disse o vereador Marcelo Seminaldo (PT), presidente daquela comissão.

Seminaldo entende que é necessário investigar os motivos pelo qual a gestora do aeroporto ressalta seguir apenas as leis federais em detrimento as que regem o município. “Por que só respeitam a legislação federal? Por isso decidimos instalar uma CEI para saber os motivos pelo qual não respeitam a legislação municipal”, concluiu.

Antônio Boaventura

antonio.boaventura@guarulhoshoje.com.br

Foto: Sidnei Barros

 

9 Comentários neste post

  1. A GRU airport por meio de seus funcionários não respeitam se quero o direito de ir e vir. Não entendem que os funcionários que elaboram no local é que faz o aeroporto andar. É Casagrande o tratamento aos proprietários funcionários e aos de outras empresas. Começa pelo credenciamento que é obrigatório e demora um mês para o agendamento e na data agendada mais em média 4 horas

    Responder
  2. Manoel das Graças

    Deveria ser investigado porque os seguranças novos de preto estao batendo em crianças homens e mulheres q trabalham com vendas informais no aeroporto (engrachates, livreiros, embaladores, baleiros…) , e a delegada ainda diz q está a favor, eles agridem fisica e pscicologicamente, rasgam suas bolsas e tomam seus materiais, tenho videos se precisar.

    Responder
  3. Elias Vaz,

    Os vereadores e o prefeito estão dando mole para essa
    empresa Gru se eles estão instalados na cidade de Guarulhos, eles são sim obrigados a cumprir as leis e os regulamentos do município, afina,l essa empresa não goza de nenhuma imunidade portanto, ela não é soberano as leis onde ela está instalada e prestam serviços, então que respeita as leis da cidade de Guarulhos

    Responder
  4. A Grupo quando assumiu o aeroporto de Guarulhos fez o favor de subir os alugueis do aisp expulsando os pontos de refeição digamos assim populares usados por funcionários dizendo que ia transformar o aisp deixa_ lo igual aos aeroportos da Europa. Se na Europa e o que ela está fazendo aqui não quero nunca ir la.lembrando que são quase 30 mil funcionários orgânicos que não tem direito a se alimentar devido aos preços absurdos praticados no Aisp

    Responder
  5. Porque assim como em relação com nova Dutra aqui só tem monte de banana preocupado com próprio interesse onde um instituição pode ser maior q uma cidade

    Responder
  6. Olá será porque o governo Municipal se limita a governar do paço Municipal até o Jd.Maia ?

    Responder
  7. Juscelino

    Trabalho no aeroporto e vejo os ex policiais afastado da polícia trabalhando como segurança conhecidos como homens de preto os mesmos agridem com pancadas os deliverys os vendedores de livro evangelho tanto é que são amigos da delegada que faz o boletim de ocorrência se achar que estou aumentando procura os vendedores e busquem informações a respeito estão agindo como mercenários deveriam ir atrás dos bandidos e não de trabalhadores que tentam alimentar as suas famílias

    Responder
  8. Engraçado, o que a GCM, Departamento de Trânsito de Guarulhos estão fazendo 24 horas no aeroporto então, pode ser que a Prefeitura seja contra também a venda por serem a maioria trabalhadores informal, vergonha dessa política brasileira!

    Responder
  9. Elinaldo Lins de Lima

    Não há remédios no CEMEG. O quê está acontecendo Prefeito GUTI ?

    Responder

Deixe seu Comentário