Associação apresenta suposto documento falso na licitação do Pimentas-Bonsucesso

Assunto:Imagens Aéreas Local:Hospital Pimentas Bonsucesso Data:16.05.2008 Foto:Sidnei Barros/PMG

A Associação das Crianças Excepcionais de Nova Iguaçu (Aceni), no Rio de Janeiro, que participa do processo de licitação para administrar o Hospital Pimentas-Bonsucesso, apresentou um suposto atestado de capacidade técnica falso à Prefeitura de Guarulhos. Outras dez empresas também participam do certame.

Segundo apurou o HOJE, no documento apresentado pela Aceni, consta que a associação prestou serviços em leitos de UTI no Hospital Pro Mater Santo Antonio, em Ferraz de Vasconcelos, na Grande S. Paulo. O detalhe é que nesta unidade hospitalar não existe UTI, conforme atestou a própria reportagem na noite desta terça-feira (8).

As informações dão conta que o atestado de capacidade técnica, utilizado pela Aceni, foi assinado pelo proprietário do hospital, o ex-prefeito de Ferraz de Vasconcellos, Jorge Abissamra.

No dia 23 de novembro do ano passado, após ser denunciado pelo Ministério Público do Estado de São Paulo por lavagem de dinheiro praticada por meio da ocultação de 39 imóveis e de uma embarcação, Abissamra acabou preso pela Polícia Civil em cumprimento a mandato de prisão preventiva.

A reportagem teve acesso aos “apontamentos em sessão pública” do dia 12 de março último dentro do processo de licitação do Hospital Pimentas-Bonsucesso, onde constam supostas irregularidades na apresentação de documentos, entre elas, “atestado de capacidade técnica de fls. 624 é falso, visto que a clínica emitente não possui UTI e UTI neonatal, assim sendo, requer diligências”.

 

Aceni presta serviços na Baixada, mas foi desclassificada em outras cidades

Em novembro do ano passado, a Associação das Crianças Excepcionais de Nova Iguaçu (Aceni) passou a administrar unidades de saúde de São Vicente, no litoral de São Paulo.. A empresa carioca ganhou a licitação aberta pela prefeitura e assumiu os serviços no Pronto Atendimento do Parque das Bandeiras, do Humaitá, na Maternidade Municipal e no Hospital Dr. Olavo Hourneaux, também no Humaitá.

Mas entre junho e outubro, também de 2017, a entidade tentou se qualificar em quatro prefeituras paulista (Catanduva, Pereira Barreto, Bebedouro, Bragança Paulista) como OS e não teria sido qualificada. Em outras três (São José dos Campos, Itatiba, Jacareí) concorreu nos chamamentos públicos, mas foi desclassificada.

Foto: Sidnei Barros/PMG