Lilian Miranda defende estatização e participação direta da população na administração pública

Antônio Boaventura

[email protected] 

Candidata pelo PCO na disputa pelo Governo do Estado, Lilian Miranda, que substitui Edson Dorta, tem como principais propostas à participação direta da população na administração pública e a estatização dos serviços públicos como educação, saúde e transporte. A postulante revelou que não existem projetos ou ações específicas para nenhum dos 645 municípios do território Bandeirante.

O Partido da Causa Operário, defensor dos idealismos do marxismo e trotskismo, ganhou destaque nas eleições presidenciais de 2006 e 2010 com o bordão “Quem bate cartão, não vota em patrão!”, utilizado por Rui Costa Pimenta, seu candidato naquele pleito. Para esta disputa, o slogan utilizado é o de “Eleição sem Lula é golpe”.

“Nós do PCO estamos nas eleições para denunciar o ‘Golpe de Estado’ e denunciar a prisão arbitrária do Lula [preso na Operação Lava Jato, da Polícia Federal (PF) em 07 de abril deste ano]”, explicou a candidata Lilian Miranda.

Em contrapartida, Lilian ressalta que a principal plataforma de governo proclamada por esta agremiação partidária está voltada para o controle dos serviços considerados como essenciais ofertados pelo Estado, e por isso defende a estatização. Ela também afirma que em um possível governo do PCO, a população teria participação direta.

“Para nós todas as cidades são importantes para Brasil. Em um governo do PCO teria a participação direta do povo. Somos favoráveis à Estatização dos meios de transporte, saúde e educação. O povo no controle de seus interesses”, concluiu.