João Doria quer maior acessibilidade dos passageiros da Linha 13-Jade com os Terminais do aeroporto

Antônio Boaventura

[email protected]

Governador eleito, João Doria (PSDB) quer maior acessibilidade dos passageiros da Linha 13-Jade, da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), com os Terminais de embarque e desembarque do Aeroporto Internacional de São Paulo – Guarulhos, em Cumbica. Doria espera solucionar este impasse para reduzir os impactos causados pelo trajeto que é preciso fazer atualmente entre os equipamentos.

O tucano, que assume o Poder Executivo Estadual no próximo dia 01º do próximo mês, revelou que Alexandre Baldy, atual ministro das Cidades e futuro secretário de Transportes Metropolitanos, para negociar com o GRU Airport uma solução para que os passageiros possam acessar tanto os terminais do aeroporto quanto a estação da Linha 13-Jade com maior facilidade e conforto. Procurado, o gestor do aeroporto optou por não se pronunciar.

“Já orientei o meu secretário de Transportes Metropolitanos que analise isso junto com o GRU [Airport], concessionário do Aeroporto. Não quero saber de problemas do passado e desentendimentos existentes. Eu quero uma solução”, declarou João Doria, governador eleito.

No ano de 2011, a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) se comprometeu a disponibilizar ao usuário o serviço People Mover para transferência de passageiros entre os modais de transporte. No ano seguinte, já com nova gestão, o GRU Airport, segundo informações obtidas pelo HOJE, indicou para a CPTM outra localização para a estação, porém, manteve o compromisso de viabilizar o serviço de translado.

“Não é razoável que um passageiro que chega cansado, exausto, seja ele nacional ou internacional. Ele tem que entrar no ônibus com a sua bagagem e depois desembarca do ônibus pra acessar uma escada rolante ou elevador pra pegar o Terminal. Isso é um absurdo completo!”, concluiu.

Em 2014 por causa de atrasos nas obras do terminal 3, a gestora do aeroporto optou por adiar o projeto, porém, no ano passado a concessionária afirmou que não faria mais os trens entre os terminais e iria disponibilizar uma linha de ônibus sob alegação de que o People Mover não faz parte das obrigações previstas no contrato de concessão.

“Nós já notificamos o governo federal, ANTT, Anac e tudo o que você pode imaginar. Eu espero que na próxima gestão – 2019 a 2022 – possa ser resolvido isso. A responsabilidade por fazer isso é da GRU Airport”, declarou Clodoaldo Pelissione, atual secretário estadual de Transportes Metropolitanos.