Com 249 casos, faixa etária entre 15 a 29 anos é a mais atingida pelo sarampo em Guarulhos

Reportagem: Ulisses Carvalho

[email protected]

Com 563 casos de sarampo confirmados em Guarulhos nesta quinta-feira (24), de acordo com dados da Secretaria Municipal de Saúde, a faixa etária com maior número de ocorrências da doença é entre 15 a 29 anos, com 249 casos até o momento. A administração municipal também informou que não houve nenhuma morte provocada pelo vírus no município.

As maiores incidências continuam nos bairros da região central e Cantareira, e na campanha para atualização das doses em atraso, iniciadas no dia 7 deste mês foram vacinadas 3.267 crianças a partir dos seis meses até quatro anos, 11 meses e 29 dias. Essa campanha segue somente até esta sexta-feira (25), em todas as Unidades Básicas de Saúde (UBSs).

Até o momento foram registrados 79 casos de sarampo em crianças menores de um ano, além de 64 registros na faixa etária entre um e quatro anos, e 18 confirmações no público infantil de cinco a nove anos. “Encerrando a fase de vacinação das crianças, nesta sexta-feira (25), a campanha entrará em uma nova etapa, com a imunização dos adultos de 20 a 29 anos será realizada entre os dias 18 a 30 de novembro, sendo o Dia D no sábado (30), com nova abertura das UBS”, informou em nota a secretaria.

Segundo a Secretaria de Saúde do estado de São Paulo, o Programa Estadual de Imunização prevê que crianças e adultos, com idade entre um ano a 29 anos, devem ter duas doses da vacina contra o sarampo no calendário. Acima desta faixa, até 59 anos, é preciso ter uma dose. Não há indicação para pessoas com mais de 60 anos, pois esse público potencialmente teve contato com o vírus, no passado.

Somente no estado de São Paulo, 13 pessoas já foram vítimas da doença, sendo o último caso confirmado pela Secretaria de Saúde do estado na quarta-feira (23). A última morte confirmada foi de uma mulher de 25 anos, moradora da cidade de Franco da Rocha, região metropolitana de São Paulo. De acordo com a secretaria, a mulher não tinha histórico de vacinação contra a doença.