Volta Ciclística Internacional pode deixar de ser realizada em Guarulhos a partir de 2020

Antônio Boaventura

[email protected]

Em função do incidente que ocorreu neste domingo (27), na avenida Paulo Faccini, envolvendo o ciclista gaúcho Endrigo Pereira, que compete pela equipe da cidade de Indaiatuba, interior de São Paulo, a Volta Ciclística Internacional pode deixar de ser realizada em Guarulhos por falta de estrutura. Mairiporã e Pindamonhangaba são os prováveis destinos do evento esportivo.

De acordo com Cláudio Santos, organizador e gestor da Associação Desportiva Facex, o possível desprezo com a competição esportiva que carrega o nome da cidade foi um dos principais motivos para que a decisão de realizar a Volta Ciclística Internacional possa ser realizada em outro município. Ele defende maior infraestrutura para garantir a segurança dos atletas.

“É necessário uma maior infraestrutura. A prefeitura nos ofereceu o suporte, que incluía os serviços de trânsito, e nós alugamos uma ambulância. É preciso ter mais respeito, além do mais, é um evento que leva o nome da cidade e conta com a participação de grandes nomes como o argentino Francisco Chamorro e o medalhista pan-americano Lauro Chaman”, desabafou Santos.

Segundo relatos obtidos pelo HOJE, no momento do acidente faltavam apenas 3 das 10 voltas programadas no entorno da avenida Paulo Faccini, quando o ciclista gaúcho Endrigo Pereira foi atingido por um veículo nas proximidades do número 2.868 daquela via. O local contava com o apoio de agentes de trânsito da secretaria de Transportes e Mobilidade Urbana (STMU), que possivelmente tenham liberado o tráfego antes do término do evento.  

Já a Prefeitura de Guarulhos esclareceu que a volta ciclística não é organizada pela municipalidade e que apenas deu suporte estratégico para a realização do evento. O isolamento da área deveria ser realizado pelos organizadores com o apoio da administração pública.

Foto: Divulgação