Simesp quer aumento do tempo de consultas e prefeitura descarta

Antônio Boaventura

[email protected]

Os médicos que atuam na rede pública de saúde pediram, por intermédio do Sindicato dos Médicos do Estado de São Paulo (Simesp), que a prefeitura possa aumentar o tempo de atendimento ao paciente para 20 minutos por consulta. Entretanto, a administração pública ressalta que segue a orientação do Manual de Atenção Básica do Ministério da Saúde, que prevê o período de 15 minutos por consulta.

De acordo com o Simesp, o tempo de consulta em Guarulhos é insuficiente para atendimento de qualidade. A entidade também alega que os profissionais chegam a atender até 8 pacientes por hora, em função da implantação do aplicativo Saúde Guarulhos. Diante deste cenário, os médicos continuam em estado de greve, porém, sem causar qualquer prejuízo na rotina de atendimentos á população.

O Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp) enviou ofício à Prefeitura de Guarulhos na última quinta-feira, dia 14 de novembro, solicitando uma reunião para a abertura de diálogo, mas ainda não obteve resposta. Os médicos pleiteiam que sejam realizadas três consultas por hora.

Em contrapartida, a prefeitura afirma que a iniciativa de criar o Documento Norteador da Atenção Básica, que estabeleceu quatro consultas a cada hora pelo profissional médico, foi da secretaria Municipal de Saúde. 

Ao lançar o Aplicativo Saúde Guarulhos, a Secretaria de Saúde analisou que 25 a 30% dos pacientes faltavam nas consultas médicas nas UBSs. Sendo assim, como no mês de outubro houve a transposição das agendas já existentes para o sistema informatizado, uma parte dessas vagas do absenteísmo (12,5%) foi ofertada no app.  Ou seja, ainda assim o percentual é bem inferior ao número de faltas da população nas consultas agendadas (de 25 a 30%).