Parque Tecnológico chega a Guarulhos depois de 2020, anuncia prefeito Guti

Reportagem: Wellington Alves

[email protected]

Entraves burocráticos ainda impedem a liberação do terreno para construção do Parque Tecnológico de Guarulhos. Em entrevista exclusiva ao HOJE, durante evento no Eniac, na manhã desta terça-feira (26), o prefeito Guti (PSB) confirmou que no próximo ano será possível apenas fazer o chamamento da empresa que executará o serviço.

Há mais de uma década o assunto Parque Tecnológico tramita nos corredores da Prefeitura. A Procuradoria municipal está com o caso e há otimismo na administração de que o terreno seja liberado em breve.

A área destinada ao futuro parque tem 130 mil metros quadrados e fica em Cumbica, ao lado do Dry Port. Ela foi adquirida pela Prefeitura, em 2014, por uma permuta com o Governo do Estado de São Paulo, que era responsável pelo terreno, em troca de perdão de dívida do IPTU de equipamentos estaduais no Parque Cecap.

Em 2017, em seu primeiro ano de gestão, Guti pediu o apoio do Eniac para financiar a criação de um Centro de Inovação, que é a primeira etapa para a liberação do Parque Tecnológico pelo Governo do Estado. O centro educacional investiu mais de R$ 2 milhões no projeto, que eximiu a Prefeitura de fazer investimentos. “O Eniac tem sido um parceiro desde essa época”, disse.

Ontem, o Eniac lançou uma planta da indústria 4.0, que está à disposição dos empresários de Guarulhos e do Alto Tietê que quiserem investir em inovação nas fábricas. Guti destacou que a Prefeitura poderá utilizar o espaço para se capacitarem melhor na utilização da tecnologia. “A Academia deve estar ligada ao poder público para a gente evoluir”, avalia.

Primeira planta da indústria 4.0 do Brasil é lançada no município

Com investimento de R$ 2 milhões, o Centro Universitário Eniac e o Citig (Centro de Inovação Tecnológica Innovation/Eniac de Guarulhos) inauguraram, na manhã de ontem, a primeira Planta da Indústria 4.0 do Brasil. O mecanismo visa a conexão de todas as tecnologias para a produção de produtos em busca de qualidade, eficiência e customização.

Empresas do Alto Tietê poderão procurar o Eniac e solicitar que pesquisadores façam, gratuitamente, o diagnóstico de suas atividades para apontar quais passos elas precisam dar para evoluir em inovação. O mantenedor do Eniac, Ruy Guérios, acredita que a planta poderá ajudar na qualificação de profissionais para as indústrias.

A planta foi importada da Festo, da Alemanha. O gerente comercial da empresa, Victor Teles, comentou que as companhias que aderirem ao conceito 4.0 poderão oferecer produtos customizados com maior facilidade.

Foto: Ivanildo Porto