Moradores do Jardim Okuyama temem baile funk na véspera de Natal

Reportagem: Ulisses Carvalho

[email protected]

Os moradores do Jardim Okuyama, bairro localizado entre a região do Parque Mikail e Jardim São Domingos, temem que ocorram um baile funk no dia 24 deste mês, na véspera de Natal. O motivo é uma página no Instagram, com o nome de ‘Okuyama é o Fluxo’, que está convocando as pessoas para a realização do pancadão.

Após denúncias do HOJE sobre o baile funk na região, os organizadores que anunciavam o pancadão através de uma página no Facebook, agora migraram para o Instagram e também em grupos de WhatsApp, com o objetivo de não chamar a atenção da polícia, já que o evento não tem autorização para ser realizado.

“Todas as vezes que o fluxo, como eles denominam, coincidentemente tem casos de furtos a comerciantes no bairro. Normalmente o baile funk começa às 11h30 na rua principal do bairro, que é a única via de entrada e saída da região”, afirmou uma moradora que preferiu não ser identificada com medo de represálias.

No dia 9 (sábado) do mês passado, a Polícia Militar chegou a comparecer ao local, porém, após a saída da PM, por volta da 1h, começou a realização do pancadão, segundo moradores. O baile funk é realizado na rua Flor das Laranjeiras e outra reclamação constante também é a questão da sujeira nas ruas após o evento.

“Eles usam as portas de nossas casas como banheiro. Teve uma vizinha que encontrou uma peça de roupa íntima em frente à casa dela. Tem baile funk que vai até às 7h30, e geralmente eles realizam uma vez por mês”, afirmou a moradora.

A reportagem questionou a Secretaria de Segurança Pública do estado de São Paulo (SSP), que por meio de nota informou que o serviço de inteligência da Polícia Militar monitora a organização de pancadões para identificar os locais onde ocorrem. Segundo a secretaria, no mês passado, 33 pessoas, cinco veículos e uma motocicleta foram abordados no Jardim Okuyama.

A PM também informou que novas ações estão sendo planejadas com base na denúncia dos moradores. “Em casos em que os “pancadões” já estão instalados, a PM faz uma análise de risco, sempre preservando a integridade física dos participantes e moradores do bairro”.

Foto: Reprodução Rede Social