Vereador pretende oferecer denúncia ao MP contra EMTU por má condição do serviço prestado

Antônio Boaventura

[email protected]

Mesmo sob a gestão do Governo do Estado, o vereador Eduardo Barreto (PCdoB) pretende oferecer nos próximos dias denúncia ao Ministério Público Estadual (MPE) contra a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU) em função, segundo ele, da má qualidade do serviço prestado pelas empresas que compõe o Consórcio Internorte, que optou por não se pronunciar sobre o assunto.

De acordo com informações obtidas pelo HOJE, o respectivo consórcio mantém cerca de 120 linhas, que transportam aproximadamente 300 mil passageiros na região que abrange Guarulhos. Além da condição do serviço prestado, o parlamentar também questiona os motivos pelo qual a tarifa foi reajustada. Com o percentual de quase 5% acrescido no valor anterior, algumas linhas chegam a ter uma tarifa de R$ 7,55.

“Vou oficializar a EMTU sobre número de ônibus na frota, ano dos veículos e número de ocorrências de veículos quebrados. Passagem chegando a R$ 7,55 e ônibus em condições precárias? Não dá! Também irei encaminhar esses questionamentos ao MP. Esse valor com essas condições dos ônibus é um tapa na cara do guarulhense”, explicou o vereador Eduardo Barreto.

Entretanto, serão substituídos até o final deste ano 133 veículos que completam dez anos de uso. O Consórcio Internorte atende a área três de operação, envolvendo as cidades de Guarulhos, Arujá, Itaquaquecetuba, Santa Isabel e Mairiporã. Contudo, as linhas que serão contempladas de ônibus intermunicipal de Guarulhos, não foram informadas.

A exigência faz parte de aditivo contratual firmado com as empresas operadoras das quatro áreas de concessão mais a Metra, que opera as linhas do Corredor ABD. Em 2019, 179 ônibus novos com ar-condicionado foram incluídos na frota das concessionárias da Grande São Paulo, atualmente com 3.335 veículos.

“É um absurdo. O usuário do transporte intermunicipal encontra bancos danificados, janelas quebradas e pneus sem condições de uso. Isso sem contar quando o ônibus não quebra sem concluir o trajeto”, concluiu.