Polícia Militar Ambiental deflagra Operação Golfier por fabricação de balões em Guarulhos

Da Redação
[email protected]

A Polícia Militar Ambiental autuou dez pessoas durante a Operação Golfier, deflagrada com o objetivo de coibir a pratica de soltura de balões. Os trabalhos foram realizados na capital paulista, municípios da Grande São Paulo, incluindo Guarulhos, e Interior.

O nome da ação, que faz parte da Operação Corta-Fogo deflagrada com a participação de diversos órgãos públicos estaduais, faz referência aos irmãos Montgolfier: Joseph-Michel e Jacques-Étienne, inventores franceses, que construíram o primeiro balão tripulado do mundo em 1783.

As atividades contaram com o empenho de aproximadamente 50 militares do 1º Batalhão de Polícia Ambiental (BPAmb) que atuaram especificamente nas cidades de São Paulo, Campinas, Embu-Guaçu, Guarulhos, Itapevi, Jundiaí, Osasco, Poá, Ribeirão Pires e Suzano.

O locais-alvos foram selecionados por meio de um planejamento prévio, apoiado em um mapeamento das denúncias que chegam à unidade. Ao todo, dez pessoas foram autuadas por fabricação e resgate de balões, gerando um montante de R$ 510.000,00 em multas.

Ainda foram apreendidos 22 balões, além de outros materiais como fogos de artifícios, um maçarico, mais de 1.500 lanternas e dez bandeiras. A Polícia Ambiental reforça que fabricar, vender, transportar e soltar balões são crimes apenados com até três anos de detenção, além de cada infrator receber multa de R$ 10 mil por balão.

É importante ressaltar que a prática de balão se estende de seu lançamento ao ar até sua captura. Portanto, aquele que estiver da posse desse material, mesmo que apenas capturando, está sujeito à multa. Além de seus efeitos incendiários, os balões colocam em risco o tráfego aéreo, cuja pena varia de dois a cinco anos de detenção.