Coluna 35

A saúde do lixo

Enquanto seguem as polêmicas sobre os valores fixados para a Taxa do Lixo e a extinção da Proguaru, pouquíssimas pessoas deram conta de o quanto o município gasta (ou nós gastamos) com varrição e limpeza urbana. Nem mesmo comparou esses gastos com o que se investe em saúde. O relatório da FIPE (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) aponta que a Proguaru recebeu da prefeitura, em 2020, cerca de R$ 84 milhões para varrição e limpeza urbana. Já o HMU (Hospital Municipal de Urgências) recebeu, no mesmo período perto de R$ 80 milhões. Tem alguma coisa errada. A começar pelas ruas e praças que recebem montanhas de lixo daqueles que reclamam da saúde pública.

Confusão fazendária

O presidente da Câmara de Guarulhos, vereador Miguel Martello, encaminhou ao prefeito Guti, no último dia 21, ofício solicitando agilidade na contratação dos 50 Inspetores Fiscais de Renda que foram aprovados num concurso realizado em 2019. Aparentemente isso resolveria os mais de 40 mil processos entulhados na secretaria da Fazenda que estão causando um tremendo prejuízo ao município (há quem diga que é perto de R$ 1 bi). Só que a confusão vai longe, pois os 18 Inspetores que lá estão não sabem fazer os lançamentos e também não deixam os Cadastradores (que sabem) fazê-los. São 48 funcionários que estão recebendo pra fazer o quê mesmo? Pior, é que se os concursados forem chamados também terão de aprender, mas com quem?

Covid na Câmara

Com a notícia de que o diretor executivo de plenário contraiu a Covid-19 e só se deu conta disso depois de alguns dias transitando pela Câmara, os trabalhos Legislativos foram suspensos (em plenário) até que se identifique a extensão do problema. Preocupante.

Saúde animal

Sou tutor da Beth (Shih-Tzu) e da Gata Sofia, como também já fui de outras oito cadelas ao longo da vida, e sim, acho muito, mas muito importante mesmo, o tema da saúde animal. Mas também acredito que as discussões e projetos sobre isso, na Câmara, estão um pouco demais, quando se compara com a energia gasta por esses parlamentares nos problemas da saúde humana. Fossem mais equilibrados, talvez as coisas caminhassem melhor nas UBSs, UPAs e tais. Pior que, no final, eles acabam também reclamando do Dpan (Departamento de Proteção Animal).  Vai entender.