Mostra informativa sobre diabetes está na Estação Brooklin de metrô

Foto: Artem Podrez no Pexels

“Acesso aos cuidados com diabetes: se não agora, quando?” é o tema da mostra informativa organizada pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Regional São Paulo (SBEM-SP) para a Via Mobilidade, concessionária da Linha 5-Lilás de metrô de São Paulo. A exposição visa levar informações para população para promover saúde e bem-estar e prevenir esta doença que acomete mais de 463 milhões de pessoas em todo mundo, com estimativa de crescimento de 50% em apenas 10 anos (no Brasil são mais de 16 milhões de pessoas com diabetes).

O diabetes é uma doença crônica não transmissível (DCNT) na qual o corpo não produz insulina ou não consegue usar de modo eficiente a insulina que produz. As principais complicações do diabetes não controlado são: doença renal, retinopatia (problema nos olhos) e complicações/amputações em pés e membros inferiores, além das doenças cardiovasculares.

“Os impactos econômicos da doença são enormes: pacientes podem ter que gastar de R$ 3.000,00 a R$ 4.000,00 por mês com medicamentos e insumos para cuidar do diabetes. Para o nosso Sistema Único de Saúde (SUS), o maior custo vem da falta do controle da doença e o aparecimento das complicações crônicas que impactam de forma expressiva na economia por meio de exames cardíacos como cateterismo, cirurgias cardíacas, amputações, e posterior reabilitação, além dos exames de alto custo como ressonância magnética e hemodiálise”, explica Dr. Marcio Krakauer, endocrinologista da diretoria da SBEM-SP e curador da mostra.

No tratamento do diabetes, é fundamental ter acesso a:

Insulina — 100 anos após sua descoberta, a forma sintética desse hormônio ainda não está disponível para milhões de pessoas com diabetes que precisam dele.

Medicamentos orais — embora essenciais para controlar o diabetes, muitos permanecem indisponíveis ou inacessíveis em países de baixa e média rendas.

Automonitoramento: o monitoramento da glicose no sangue é um componente fundamental do tratamento do diabetes, porém muitos pacientes ainda não têm acesso aos equipamentos e suprimentos.

Educação e apoio psicológico — as pessoas que vivem com diabetes precisam de educação contínua para controlar sua condição.

Alimentos saudáveis e um local seguro para se exercitar — tanto para pessoas que vivem com diabetes quanto para aquelas sob risco de ter a doença, ou seja, são igualmente importantes para o cuidado e para a prevenção do diabetes.

“Se investirmos em cuidados básicos o impacto econômico será substancialmente menor e muito benéfico para todas as partes envolvidas”, finaliza Dr. Krakauer.

Serviço

Mostra Dia Mundial do Diabetes– Linha 5-Lilás

Onde: Estação Brooklin de metrô

Data: de 1 a 30 de novembro