Senador Giordano participa das discussões sobre o meio ambiente do Brasil na COP26

Em entrevista exclusiva ao HOJE diretamente de Glasgow, na Escócia, no final da tarde desta terça-feira (09), horário de Brasília, onde participa da COP26, que reúne milhares de representantes de quase 200 países até a próxima sexta-feira (12), com a responsabilidade de impor novas metas contra as mudanças climáticas, o senador Alexandre Luiz Giordano (MDB) falou do protagonismo do Brasil na gestão ambiental mundial que precisa, em sua opinião, ser reconhecida por outros países.

“Não tenho dúvidas que nessa COP26, o Brasil era para ter sido o grande líder, mas essa liderança será reconhecida em breve. Vejo isso pela atuação do Congresso Nacional e do próprio Executivo, por meio do ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, que foi fantástica nesta conferência mundial”, observou.

O Brasil e vários outros países apoiaram proteger as florestas e reduzir o desmatamento e degradação do uso do solo até 2030.

Ao retornar para o Brasil, esta semana, o senador disse que lutará para criar leis ou emendas que favoreçam às empresas que diminuam a emissão de carbono e que façam a logística reversa na indústria. “Temos obrigação de incentivar essas empresas que contribuam com o meio ambiente, que façam o ciclo reverso, pois está em jogo a vida de cada ser humano desse planeta”, observou.

Em sua participação na COP26, o parlamentar participou de vários fóruns, com destaque para os que discutiram os resíduos sólidos e o fim do metano nos aterros sanitários, a coleta seletiva de materiais recicláveis e a redução do metano (CH4) nas fezes e arrotos dos bois.

Giordano, representando o presidente do Senado brasileiro, também esteve no evento paralelo que envolveu a Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo) e a Ademe (Agência da Transição Ecológica, do Governo da França), onde foi apresentado o Acordo Ambiental São Paulo, com as explanações de 14 “casos de sucesso” do programa, com resultados concretos de descarbonização.