Câmara fará licitação para compra de sistema de energia fotovoltaica

Foto: Divulgação

Está em andamento na Câmara de Guarulhos uma licitação para contratação de empresa que forneça um sistema de energia fotovoltaica para o prédio da Edilidade. O pregão presencial está marcado para o dia 17 deste mês, quando as empresas interessadas em participar do processo poderão apresentar suas propostas e disputar o contrato, cujo valor máximo estimado é de pouco mais de R$ 2 milhões.

A contratada será responsável pelo fornecimento dos bens, serviços, equipamentos necessários, licenças, autorizações, assessoria técnica, projeto executivo e completa execução da instalação do sistema. O pregão tem início previsto para 10h com o credenciamento das empresas interessadas.

O objetivo é que a Câmara se torne auto suficiente na produção de energia podendo, inclusive, devolver o excedente para a EDP Energia por meio do sistema de compensação. De acordo com o processo, a instalação do sistema poderá gerar uma potência de 277,2 KWp garantindo a autonomia do Poder Legislativo. “É um investimento muito vantajoso, pois vai gerar energia limpa, preservando o ambiente e reduzindo os custos”, destacou Devanildo Damião, coordenador de Projetos Estratégicos da Câmara.

Para Damião é importante destacar que esse processo teve início a partir da sugestão de um órgão da sociedade civil. A proposta de implantação de energia fotovoltaica foi apresentada pelo Codemgru – Conselho Municipal de Desenvolvimento de Guarulhos ao presidente da Câmara, Miguel Martello. “O projeto foi ofertado pelo Conselho, o presidente aceitou e demos início à licitação”, disse.

Segundo o pregoeiro da Câmara, José Adriano Zago, a proposta prevê a instalação das placas de captação de energia solar no teto do estacionamento localizado no Bloco 5, com área de 2,2 mil metros². A quantidade de placas será definida pela empresa vencedora do certame, que também será responsável pelo projeto executivo. A partir da assinatura do contrato, a empresa vencedora terá 120 dias para implantar todo o sistema.

No ano de 2021, a Câmara gastou em média R$ 25 mil reais por mês com energia. No processo, o mês de setembro foi utilizado como referência quando o valor apurado ficou em R$ 31 mil. Segundo Damião, a perspectiva é que o retorno do investimento financeiro se dê em cinco anos. Entretanto, ele lembra da importância de o Poder Legislativo ter, cada vez mais, práticas de sustentabilidade.

- PUBLICIDADE -