Guarulhos se destaca no ranking Isto É de Melhores Cidades do Brasil 2022

Foto: Diego Secco/PMG

Entre os 5.565 municípios do Brasil, Guarulhos ficou na 28ª posição no índice geral dos indicadores fiscais no “Ranking Isto É – As Melhores Cidades do Brasil – 2022”, publicado pela Editora Três a partir de uma ampla pesquisa realizada pela agência de classificação de risco Austin Rating. O resultado aponta Guarulhos como a 4ª colocada no Estado de São Paulo, que conta com 12 cidades entre as 50 primeiras.

“O resultado demonstra a seriedade de nossa gestão na administração dos recursos públicos, justamente em um período de pandemia, quando a arrecadação diminuiu e os gastos aumentaram. Vale salientar a responsabilidade fiscal, apesar de Guarulhos já estar há seis anos sem reajustar o IPTU”, afirmou o prefeito Guti. O ranking mostra ainda que Guarulhos é a 20ª cidade do país entre as de grande porte, ou seja, as que têm mais de 200 mil habitantes. Joinville (SC) se classificou em primeiro tanto no ranking geral como no dos municípios de grande porte.

A Editora Três, em parceria com a Austin Rating, elaborou o anuário a partir do mapeamento e da classificação do nível de desenvolvimento dos municípios, hierarquizados pelos critérios qualitativo e quantitativo. Segundo a publicação, “é uma forma, também, de homenagear prefeitas, prefeitos e populações dos quatro cantos do Brasil, que, além do trabalho cotidiano, tiveram de lutar recentemente contra uma inesperada e devastadora pandemia”. A Isto É classifica em seu editorial a pandemia do coronavírus como “um inimigo oculto que devastou cidades, estados, países e o mundo”.

Ainda segundo a publicação, a importância dos municípios cresceu nesse período, já que “famílias inteiras perderam seus empregos, planos de saúde foram deixados de lado, pais tiraram seus filhos de escolas particulares, afora os gastos astronômicos para o combate à pandemia, sem contar todas as demais despesas”. Como exemplo da importância das cidades, cita o Consórcio Conectar, formado em 2021 pela Frente Nacional de Prefeitos (FNP), da qual o prefeito Guti participou ativamente. Dois mil municípios, congregados, instituíram o maior consórcio de saúde do país.

Além de se destacar na área geral dos índices fiscais, Guarulhos aparece em outros sete rankings. Em capacidade de arrecadação, foi a 46ª cidade do país e a 23ª entre as de grande porte. Em execução do orçamento, apareceu em 46º lugar entre as de grande porte, mesma posição no quesito capacidade de pagamento, enquanto que em aplicação na saúde e educação foi a 26ª colocada.

Nos indicadores econômicos, Guarulhos se classificou na 48ª posição entre os municípios de grande porte. Já em mercado de trabalho foi a 18ª do país e de grande porte (a quarta do Estado). Em comércio exterior, classificou-se como a 21ª do Brasil e a 16ª de grande porte. Já em qualidade de vida ficou em 27º tanto no país como entre as maiores.

O município conseguiu ainda a 13ª posição em habitação na classificação geral e também entre os municípios de maior porte. Em responsabilidade social, foi a 22ª de grande porte e a 16ª no quesito atenção ao jovem.

Como as cidades foram classificadas no ranking

A Editora Três e a Austin Rating firmaram parceria com o objetivo de analisar, classificar e mapear o nível de desenvolvimento socioeconômico nos 5.565 municípios brasileiros. Para atingir tal meta, a Austin desenvolveu o Índice de Inclusão Social e Digital (IISD), que analisa 281 indicadores relacionados às áreas social, econômica, fiscal e digital e permite hierarquizar as cidades com foco na igualdade das oportunidades entre seus habitantes. A análise dos 281 indicadores ocorreu de forma quantitativa e qualitativa.

O desempenho dos municípios foi pontuado tanto pela condição do indicador em um único momento – a exemplo de uma fotografia -, quanto pelo desempenho da evolução desse indicador no tempo (como em um filme que conta sua história).

No cálculo do IISD há 37 indicadores chamados de determinantes em virtude de sua representatividade nos grupos. Sua pontuação é somada após a aplicação de sua ponderação. Já os demais 244 indicadores são chamados de condicionantes e sua pontuação é somada integralmente. A pontuação dos municípios ocorreu de forma decrescente e conforme a posição em cada indicador.

O município mais bem classificado no indicador “Y” recebeu 5.565 pontos, enquanto que o mais mal classificado nesse indicador, apenas um ponto. Esse critério é aplicado linearmente tanto na análise quantitativa como na qualitativa. A nota máxima que um município pode obter é 214,4812 pontos, ao passo que a mínima é 0,0385 ponto.

- PUBLICIDADE -