Aeroporto de Guarulhos faz auditoria com foco na apuração de propinas

O GRU Airport – Aeroporto Internacional de Guarulhos, em Cumbica, decidiu, em reunião da última quinta-feira (16) que fará uma auditoria no local com a empresa PriceWaterhouseCoopers (PwC) com foco em processos de corrupção e propinas no período no ano passado. A informação foi confirmada pelo HOJE, no entanto, a concessionária não deu detalhes sobre como será o processo.

Em junho, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot afirmou que o presidente interino Michel Temer recebeu doação de R$ 5 milhões por meio da OAS, dona da concessão do aeroporto. Segundo Janot, o dinheiro foi doado por meio do ex-presidente da construtora, Léo Pinheiro.

Neste ano, a concessionária também passa por graves crises financeiras. O Departamento de Planejamento e Estudos (DPE) da Secretaria de Aviação da Presidência da República mostrou uma queda na movimentação de passageiros de 2,2% e 3,3%, respectivamente.

O fato poderá fazer a aeroporto deixar de pagar a outorga (uma espécie de aluguel pelo uso da unidade) de R$ 1 bilhão a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) até 11 de julho. Além de Guarulhos, outros cinco terminais privatizados no país, pediram ao governo para não pagar a outorga por meio de revisão de contratos. Essa iniciativa pode fazer com que os cofres públicos não recebam de R$ 2,3 bilhões neste ano.

A concessão do aeroporto de Guarulhos, que tem prazo de 20 anos, foi arrematada em 2012 por R$ 16,213 bilhões pelo consórcio Invepar, composto pelas empresas Investimentos e Participações em Infraestrutura SA e ACSA (Airports Company South África), da África do Sul. A OAS ficou com a concessão para obras de todo o sistema aeroportuário.

Reportagem: Letícia Lopes