Alunos da escola José Storópoli sofrem com onda de assaltos

A onda de assaltos próximo a escola José Storópoli está cada vez mais frequente, bastou acabar as aulas no período noturno, que cada aluno sai em seu grupo para não ser assaltado. Alguns andam em quatro pessoas, e outros até em quinze pessoas, mas mesmo assim, diante de um caminho perigoso, já que os estudantes para completar o seu percurso até a escola, devem passar pela Estrada do Lavras, que carece de iluminação, deixando os alunos expostos para que ocorra assaltos.

Segundo os alunos, a escola sempre aciona a Ronda Escolar, porém, eles não aparecerem, e com isso, cada vez mais as pessoas estão deixando de levar suas coisas para a escola, como celular, por exemplo, um dos alvos preferidos dos bandidos, que caso você não tenha, eles levam até mochila ou seu tênis.

Os bandidos sempre agem em dupla ou em trio, e os assaltos ocorrem em sua maioria na rua da escola, subindo para a Estrada de Nazaré Paulista. Segundo um estudante do 3º ano do Ensino Médio, que preferiu não ter o nome mencionado, ao todo, ele teve 15 amigos assaltados, e a situação só piorou depois que moradores da favela Hatsuta, se mudaram para a região próxima.

Os assaltantes aproveitam que a Estrada do Lavras possui pouca iluminação e muito matagal, para assaltar as pessoas e logo em seguida correm para o mato. O estudante do 3º ano, disse que durante a última sexta-feira, ele e seu grupo teve que correr para escapar da ação dos bandidos.

O caminho para a escola deveria ser seguro, mas não é, e cada estudante se vira como pode com medo da onda de assaltos, já que ao tocar o sinal da saída, não se sabe como será o caminho da volta para casa, a única certeza é o medo, por não saber o que irá ocorrer.

Reportagem: Ulisses Carvalho