O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva participou ontem da Reunião da Direção Nacional da CUT, realizada no Hotel Mônaco, no Centro. Durante o encontro, foi confirmado o ato contra o afastamento da presidente Dilma Rousseff (PT) no próximo dia 29.

Segundo Lula, as medidas tomadas pelo governo de Michel Temer provocaram problemas enfrentados no passado. “Nós voltamos a ter reajuste salarial abaixo da inflação. Nós voltamos a ver sindicatos fazendo acordos para preservar emprego”, disse.

Alvo do mercado internacional, a camada do pré-sal foi tema da fala do ex-presidente. “Qualquer governante que ache que precisa vender o patrimônio público para superar a crise, não sabe governar. Agora, eles querem entregar o pré-sal. Logo o pré-sal, que é a maior descoberta de reserva de petróleo no século XXI. Vejam, o que os EUA fizeram assim que descobrimos o pré-sal? Eles colocaram em funcionamento a 4º Frota da Marinha no Atlântico. Desde então, eles estão de olho no petróleo e ficaram muito contrariados quando aprovamos a partilha”, ressaltou.

Por fim, Lula lembrou as conquistas da classe trabalhadora durante os governos petistas. “O país elegeu um metalúrgico e uma mulher para a presidência. Nossas medidas começaram a incomodar a parte de cima da sociedade, já que os de baixo subiram um degrau. Nosso recado para as elites é que gostamos do andar de cima e vamos lutar para continuar no andar de cima”, finalizou o ex-presidente.

Ato – A convocatória foi reforçada pelo presidente nacional da CUT, Vagner Freitas. “O cenário que temos no Senado é diferente do cenário na Câmara. Em abril, a opinião pública apoiava o golpe. Hoje, houve um entendimento de que o golpe aprofundou a crise política e econômica no Brasil. Não vamos nos calar. Iremos tomar as ruas de Brasília dia 29 de agosto, exigindo que os senadores não votem pelo golpe”, afirmou Freitas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here