Greve dos bancários ganha força e já atinge 60% do quadro de funcionários

A greve dos bancários de Guarulhos ganhou força e já atinge 60% do quadro de funcionários das agências do município. Segundo o balanço do Sindicato dos Bancários de Guarulhos e Região divulgado ontem, são 1.400 funcionários em greve. Das 152 agências da cidade, 70 estão fechadas para o atendimento ao público.
Os bancários paralisaram os serviços na última terça-feira (6), e reivindicam um aumento de 14,78%, dos quais 5% de aumento e 9,31% de reposição da inflação e melhoria geral das condições de trabalho.
A mais recente proposta da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), feita na última sexta-feira (9), consiste num reajuste de 7% para os salários e benefícios e abono de R$ 3.300 a ser pago em até dez dias.

No último encontro entre os sindicatos e a Fenaban na tarde de ontem, não foi marcada para apresentação de novas propostas nem houve a possibilidade de encerrar o movimento grevista.
O Sindicato dos Bancários de Guarulhos e Região informou que algumas agências do centro de Guarulhos voltaram a funcionar, com exceção das agências da Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil, para atender os clientes mesmo no período de greve.

O sindicato afirmou que não é a intenção “paralisar 100% dos bancos”. As novas regiões que aderiram à paralisação estão na Vila Galvão, Vila Endres e Ponte Grande. As agências dos Correios no Centro viraram uma alternativa para o pagamento das contas.

Elas atuam como Banco Postal e realizam pagamentos de contas de consumo (água, luz, telefone e gás), títulos de cobrança (boletos bancários) e tributos. Numa fila imensa do Correios, localizada na avenida Tiradentes, região central, estava à aposentada Vitalina de Oliveira, de 63 anos.
Ela precisava pagar os impostos da empresa da filha que estavam vencidos. “Eu sempre vou à Caixa Econômica realizar esses pagamentos, com a greve tive que vir aqui. Está cheio, mas fazer o que?”, desabafou a aposentada.

Reportagem: Leticia Lopes

Foto: Ivanildo Porto