Guarulhos registra taxa de mortalidade infantil menor que Grande São Paulo

O índice de mortalidade infantil registrado em Guarulhos nos últimos 15 anos é menor do que o observado na Grande São Paulo. Segundo a Secretaria da Saúde, no município a taxa caiu de 21,27 óbitos para cada mil bebês nascidos vivos em 2000 para 11,61 em 2015. No mesmo período, o número na Grande São Paulo caiu de mais de 16 mortes de menores de um ano por mil nascidos vivos para 10,9 – o que representa queda de 35,5%.

O balanço, realizado pela Secretaria de Estado da Saúde em parceria com a Fundação Seade, foi divulgado ontem. Segundo o estudo, no ano passado, a região teve 321.418 nascidos vivos e 3.504 óbitos infantis, concentrando 52% das mortes nessa faixa etária ocorridas em São Paulo.
A mortalidade infantil é o principal indicador da saúde pública segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). “As reduções na taxa de mortalidade que constatamos no Estado e na Grande São Paulo são resultado do esforço conjunto pelo poder público. Continuaremos trabalhando para que esses indicadores continuem caindo, por meio do fortalecimento de políticas públicas de saúde que contribuam para a diminuição gradual dos índices de mortalidade infantil”, afirma David Uip, secretário de Estado da Saúde.

Segundo a pasta, o aprimoramento da assistência ao parto e à gestante, o incentivo ao aleitamento materno, a ampliação do acesso ao pré-natal, a expansão do saneamento básico e a vacinação em massa de crianças pelo SUS (Sistema Único de Saúde) são os principais motivos para a queda na taxa de mortalidade infantil no Estado.

Estado – O Estado de São Paulo alcançou a menor taxa de mortalidade infantil da história. Nos últimos 25 anos, a queda na taxa de SP foi de 65,7%. A proporção era de 31,2 mortes a cada mil nascidos vivos, em 1990. No ano passado, o índice foi de 10,7; em 2000, era de 17 crianças em cada mil, evidenciando redução de 37,1% nos últimos quinze anos. Os números absolutos mostram que houve queda tanto no número de nascidos vivos quanto na mortalidade, comparando-se os dados atuais aos de quinze anos atrás. Em 2000, 699.374 crianças nasceram vivas e foram registrados 11.869 óbitos infantis, contra 632.407 nascidos vivos e 6.743 mortes, no ano passado.

Reportagem: Rosana Ibanez
Foto: Ivanildo Porto