Com obras concluídas UPAs Cumbica e Paulista não devem ser entregues por falta de funcionários

Mesmo com as obras concluídas as Unidades de Pronto Atendimento (UPA) Cumbica e Paulista não devem ser entregues neste ano pela prefeitura. O motivo é o percentual gasto pelo Executivo com a folha de pagamento dos funcionários que impede que novas contratações sejam feitas. Assim, não há possibilidade atualmente de que médicos, enfermeiros e novos profissionais sejam incorporados ao quadro da Saúde para atendimentos nessas unidades.

A explicação foi dada pelo secretário da Saúde e vice-prefeito, Carlos Derman, aos vereadores durante apresentação do balanço das ações da pasta referente ao segundo quadrimestre deste ano. “Vamos terminar o ano gastando entre 52% e 53% com RH. A Lei de Responsabilidade Fiscal estabelece limite de 54%. Conseguimos terminar as duas UPAs, mas não tivemos condições de contratar pessoal para colocá-las em funcionamento”, explicou Derman.
As obras de ambas as UPAs ficaram paradas por mais de dois anos devido a problemas com as empresas licitadas. A construção da UPA Paulista foi paralisada devido à falência da empresa. Já a empreiteira responsável pela unidade em Cumbica abandonou a construção. Assim, a Proguaru assumiu as duas obras.

As intervenções da UPA Paulista foram iniciadas em janeiro de 2011, com previsão de entrega para outubro do mesmo ano. Já a UPA Cumbica, iniciada em junho de 2011, deveria ter sido entregue em março de 2012. Cada unidade terá a capacidade de atendimento de, aproximadamente, 300 pessoas por dia.

A única UPA entregue e em funcionamento na cidade é a localizada no São João. Outras duas unidades foram contempladas pelo Governo Federal, no Pimentas e no Cocaia, porém, segundo Derman, nem os projetos tiveram início.