Seta Atacadista fecha três lojas e deixa funcionários sem receber o pagamento

Nesta terça-feira (31), o Seta Atacadista fechou três lojas em Guarulhos. Os estabelecimentos lacrados foram no Taboão, Jardim Presidente Dutra e Vila Galvão. No portão do atacadista, o aviso era “loja fechada”, surpreendendo os funcionários, que estão com o vale do dia 20 atrasado, além da falta de informação por parte dos gestores.

Na unidade da Vila Galvão, localizada na avenida Pedro de Sousa Lopes, havia seis placas com a informação e um pequeno grupo de funcionários atônitos, como a chefe de caixa Joely Sousa, que trabalhava há sete meses no local. “Eles alegaram que não houve falência, mas a situação começou a piorar em dezembro, quando demitiram 30 funcionários. Além do fechamento da loja, o vale está atrasado desde o dia 20, e não há previsão para nossa homologação”, lamentou.

O HOJE esteve na Vila Galvão, e encontrou funcionários fechando o estabelecimento e outros espaços alugados pela empresa. Em conversa com a reportagem, um ex-funcionário da unidade do Jardim Presidente Dutra, que preferiu não se identificar, revelou que o FGTS (Fundo de Garantia do Trabalhador Social, está atrasado há quatro meses. “Ninguém nos informam nada, a crise no Seta começou durante o ano passado, quando atrasaram o vale e o depósito da condução durante três dias”, disse o ex-funcionários.

Em Guarulhos já são quatro unidades fechadas, a primeira foi na região do Parque do Alvorada, durante o final do ano passado. Atualmente há duas lojas em funcionamento na cidade, sendo uma na região de Cumbica, que segue indefinida, pois 40 funcionários foram demitidos nestes últimos dias, e a loja do Pimentas, situada na avenida Juscelino Kubitcheck.

Unidades da capital teriam sido fechadas

Além de Guarulhos, outras unidades que sofrem com o mesmo problema são na capital paulista, onde foram fechadas sete lojas nos bairros do Parque Edu Chaves, Capão Redondo, Vila Curuçá, Interlagos, Vila Formosa e Guaianazes. Em Santos, a unidade também foi fechada, junto com a região de Carapicuíba, onde trabalhavam 50 funcionários, e na cidade de Santo André, com mais 60 funcionários demitidos.

O HOJE tentou entrar em contato com o Seta Atacadista, mas não obteve resposta. Já o Sindicato dos Empregados no Comércio de Guarulhos (Sincomércios), revelou que a informação do número de demissões na região guarulhense só poderia ser informada nesta quarta-feira (1).

O, diretor de relações sindicais do Sindicato dos Comerciários de São Paulo (SECSP), Josimar Andrade, afirmou que somente na capital paulista foram 430 empregados demitidos, e caso continue ocorrendo as demissões em todas as lojas do estado, o número pode chegar a 8 mil trabalhadores.

“Eles são muito restrito a informações. Realizamos duas reuniões com a empresa e não conseguimos acordo, e nessa sexta-feira (3), haverá outra reunião para discutir o pagamento das rescisões, que deverá ser parcelado. Já acionamos também o nosso departamento jurídico para entrar com uma liminar exigindo a penhora dos pertences do Seta Atacadista, como caminhões e conta bancária”, revelou Andrade.

Reportagem: Ulisses Carvalho
Foto: Ivanildo Porto