Alunos de escolas da rede municipal estão sem receber leite de programa

Reportagem: Antônio Boaventura
Foto: Antônio Boaventura

A substituição da empresa WR Serviços e Logística Ltda-EPP, responsável pela entrega do leite do programa Leite em Casa durante a gestão do ex-prefeito Sebastião Almeida, está prejudicando o acesso de famílias com alunos matriculados na rede municipal de ensino ao alimento. Cerca de 2.500 famílias no município estão aptas a receber o leite.

O HOJE ouviu mães de alunos das escolas Pedro João Alvares, na Vila das Palmeiras, e Sítio do Pica Pau Amarelo, no Cocaia, e elas confirmaram o atraso no recebimento do leite. A distribuição do alimento é realizada a cada dois meses para alunos matriculados com frequência regular.

“No ano passado conseguimos receber de forma regular o leite. Não tivemos problemas. Já neste ano, não recebemos nada até o momento. O leite é muito importante para nós”, relatou uma mãe que mantém seu filho na escola Sítio do Pica Pau Amarelo, e não quis se identificar.

O vereador Wesley Casa Forte (PSB) afirmou que o problema já foi solucionado, apesar da constatação do atraso na entrega. No entanto, ele atribuiu à troca da empresa responsável pelo processo de distribuição como fator central do problema. O parlamentar revelou que a substituição gerou uma economia de pouco mais de R$ 11 milhões aos cofres públicos.

A distribuição era dividida em oito regiões, sendo elas: Bonsucesso, Cabuçu, Centro, Cumbica, Pimentas, São João, Taboão e Vila Galvão. A WR Serviços e Logística venceu processo licitatório assinando em dezembro de 2013 e seu contrato com a prefeitura tinha o valor anual de R$ 3,9 milhões.
A prefeitura, por meio da Secretaria de Educação, Cultura, Esporte e Lazer, não se pronunciou sobre o assunto até a conclusão desta edição.