Pacientes esperam mais de 10 horas por atendimento nesta sexta no HMU

Caos. Este foi o panorama nesta sexta-feira (10) no Hospital Municipal de Urgências (HMU). Pacientes aguardavam por mais de 10 horas por atendimento médico naquela unidade hospitalar. Eles relataram que a única informação repassada pelos funcionários é a de que não havia médicos para atendê-los.

“Tem gente que está aqui desde ás 7h. Como estou com tontura e dor de cabeça, aproveitei para aferir a pressão e fui informada de que não tem médico. Perguntei a ele o que fazer e me disse que não poderia fazer nada”, relatou a desempregada Ivonete de Moraes, ouvida pelo HOJE por volta das 16h.

A reportagem constatou o grande número de pacientes que esperavam por atendimento médico. Pacientes, que preferiram não se identificar, revelaram ter solicitado auxílio até a políticos da cidade, mas sem êxito.
“Está muito feia a situação aqui. Falei com o pessoal da ouvidoria e falaram que o médico está espairecendo por que acabou de ter dois óbitos e o outro médico foi para o (hospital) Padre Bento fazer uma remoção”, declarou a operadora de telemarketing Aline Santos.

Em contrapartida, a prefeitura, por meio da Secretaria de Saúde, negou a ausência de médicos no HMU nesta sexta-feira. A pasta informou que no período da manhã havia cinco médicos em atendimento, sendo três clínicos gerais e dois ortopedistas, e à tarde foram dois clínicos gerais e dois ortopedistas.

A assessoria da Saúde alegou ainda que vários pacientes graves deram entrada no hospital, incluindo dois casos de fraturas expostas. Segundo o critério de classificação de risco, esses casos passam à frente dos demais. Portanto, os casos de urgência e emergência foram atendidos de imediato e os casos classificados como sem gravidade tiveram que esperar um pouco mais, mas o tempo entre o preenchimento da ficha e o atendimento médico não passou de seis horas.

Reportagem: Antônio Boaventura
Foto: Antônio Boaventura