Ong prevê novo atraso e redução do trabalho no teleatendimento do Samu

Problema recorrente, o atraso no pagamento da prestação de serviço da ONG Plural Educação e Cidadania, que administra o teleatendimento do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), deve persistir até o final de seu contrato. A Prefeitura de Guarulhos afirma que os pagamentos estão rigorosamente em dia.
No entanto, José Carlos Lemes, presidente da entidade, teme que um novo atraso no pagamento possa provocar a insatisfação de seus colaboradores e uma possível redução de jornada de trabalho. O contrato da ONG com o governo municipal se encerra no dia 14 do próximo mês, e segundo Lemes, o pagamento está previsto para o dia 17.

“Pagaram uma nota e regularizamos os pagamentos. Temos uma nota da gestão anterior que não foi pago. Eles deixaram de pagar a nota de dezembro. No dia 5 do próximo mês vence e estamos prestes a ter o mesmo problema”, declarou.

Já a Secretaria de Saúde esclarece que o serviço de teleatendimento do Samu está funcionando normalmente e que os pagamentos de 2017 estão rigorosamente em dia. Por isso, entende que não haverá paralisação.

Apesar de a secretaria afirmar que o cronograma financeiro está sendo cumprido de forma regular, Lemes espera que a administração possa quitar o valor do próximo mês a tempo de realizar o pagamento mensal dos funcionários até o quinto dia útil do próximo mês, e assim evitar maiores transtorno.

“Eu acho que teremos uma semana conturbada e ter uma jornada de 1h ou 2h para chamar a atenção da secretaria. A nota ficou para o dia 17 e foi um erro deles. Fica sempre do jeito que está e ficamos com uma situação complicada em relação à folha de pagamento”, concluiu.

Reportagem: Antônio Boaventura
Foto: Ivanildo Porto