STF envia petição de Almeida na Lava Jato para Procuradoria da República

O pedido de investigação da suposta participação do ex-prefeito Sebastião Almeida, que neste ano trocou o PT pelo PDT, no esquema de propina da Odebrecht deve chegar nos próximos dias à Procuradoria da República de Guarulhos. Sem foro privilegiado, o ex-petista será investigado pela Justiça Federal de São Paulo.

Almeida foi citado nas delações premiadas dos executivos Fernando Luiz Ayres da Cunha Santos Reis, da Odebrecht Ambiental, e Guilherme Pamplona Paschoal, ex-presidente do Conselho de Administração da Companhia de Saneamento do Tocantins (Saneatins), também ligada a Odebrecht Ambiental, à força-tarefa da Operação Lava Jato.
Na terça-feira (11), o relator do processo da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, divulgou determinou a abertura de inquérito contra senadores, deputados federais, ministros do governo Temer, governadores, prefeitos e ex-prefeitos (entre eles, Almeida).

Em março do ano passado, o nome de Almeida apareceu em uma lista de documentos apreendidos na residência do ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura, Benedicto Barbosa da Silva Júnior, no Rio de Janeiro. Esta ação foi realizada na 23ª fase da Operação Lava Jato, intitulada de Acarajé.

Segundo o Ministério Público Federal, os dirigentes da empreiteira revelaram que a empresa realizou pagamentos para Almeida nas campanhas eleitorais vencidas por ele em 2008 e 2012. Entretanto, nas respectivas prestações de contas, aprovadas pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral), não aparecem as doações da Odebrecht.
Das empresas envolvidas na Operação Lava Jato, deflagrada pela Polícia Federal em março de 2014, o ex-chefe do Poder Executivo recebeu doações da Construções e Comércio Camargo Corrêa e da Engevix Engenharia S/A, ambas em 2008. Ambas renderam a quantia de R$ 45 mil reais para Almeida.

Entretanto, na campanha eleitoral que garantiu o primeiro mandato para o Paço Municipal, o ex-petista foi agraciado com pouco mais de R$ 744 mil em doações de empresas ligadas a construção civil. Quatro anos depois este montante despencou para R$ 185 mil reais. Nas duas campanhas, ele recebeu R$ 11 milhões em doações.

Reportagem: Antônio Boaventura
[email protected]

Foto: Ivanildo Porto