A prefeitura revelou nesta terça-feira (25) que o número de atendimentos a pessoas em situação de rua aumentou 24%, neste período crítico de inverno, em comparação entre os vinte dias do mês de julho do ano passado e o mesmo período deste ano.

Em maio deste ano, a ex-agente Tânia di Genaro, afirmou, na época, que a prefeitura substituiu os 33 funcionários designados para cumprir a tarefa de acolhimento das pessoas em situação de rua. O HOJE obteve informações que o custo destinado pela administração pública para esta atividade era de R$ 35 mil reais por mês.

“A prefeitura colocou três voluntários pra fazer aquilo que 33 funcionários faziam nas ruas com essas pessoas. Hoje a praça Getúlio Vargas tem mais de 50 pessoas dormindo no coreto, quando a abordagem já tinha tirado o pessoal do coreto”, explicou.

Segundo a gestão Guti, no ano passado foram atendidas 321 pessoas em situação de rua contra 399 neste ano. Ou seja, um acréscimo de 24%. Em relação a quantidade de profissionais, a prefeitura apenas informou que são diversos trabalhando nesta ação, haja vista a execução ser de diversos serviços e níveis diversos de complexidade.

A administração pública ressaltou que a população em situação de rua é atendida inicialmente, através da secretaria de Desenvolvimento e Assistência Social (SDAS), pelo Serviço Especializado em Abordagem Social (Seas), de acordo com as demandas apresentadas e aceitação das intervenções, podem ser encaminhadas para os Centros de Referência Especializado para População em Situação de Rua – Centro Pop para intervenções técnicas, no período das 8h às 17h.

Reportagem: Antônio Boaventura
antonio.boaventura@guarulhoshoje.com.br

Foto: Ivanildo Porto

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here