Governo de SP prevê trem expresso entre Luz e Cumbica a partir de 2018

Se os prazos estabelecidos pela CPTM e pelo governo Geraldo Alckmin (PSDB) forem cumpridos, em abril do ano que vem estreará um trem expresso entre o centro de São Paulo e o Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos. A viagem, a partir do histórico terminal da Luz, vai durar cerca de 35 minutos.
Não é a primeira previsão. Desde 2002 existe a promessa de governos tucanos para a criação de uma viagem expressa sobre trilhos no trecho. Quem chegar à estação Aeroporto, porém, ainda terá que caminhar para acessar uma passarela coberta e pegar um ônibus da concessionária que gerencia Cumbica. Aí sim, com mais cerca de dez minutos, chegará ao terminal de embarque mais próximo.

Originalmente, o ônibus era cogitado como paliativo até que a concessionaria entregasse um monotrilho que faria a ligação. A mudança já seria significativa em relação ao projeto original do Estado, que previa a construção da estação Aeroporto já próxima ao check-in. O projeto, no entanto, foi revisto pelo Estado após a decisão da concessionária GRU Airport de construir um shopping no local planejado para a estação.

Em troca, a concessionária se comprometeu a transportar gratuitamente os usuários do trem aos terminais. O plano era usar um monotrilho, a exemplo de outros grandes aeroporto, mas de acordo com a avaliação da GRU Airport, a demanda de passageiros será suficientemente atendida com o sistema rodoviário.

O serviço de ônibus para os passageiros desembarcarem do trem ficará a aproximadamente 500 metros do termina 1 e a 2,5 quilômetros do terminal 3 de Cumbica. O expresso deverá ter quatro partidas diárias em cada sentido, em horários estratégicos para os voos. Mas não será a única opção para chegar de trem ao aeroporto.

O usuário também poderá utilizar o serviço convencional da CPTM, ambos terão os trilhos da futura linha 13-Jade como rota até Cumbica. As principais diferenças são:

1) No tempo de viagem. O serviço convencional a partir da Luz, com paradas nas estações, deve levar ao menos 52 minutos, sem contar ainda o tempo no deslocamento a pé para fazer duas baldeações;
2) no preço da passagem. A viagem com o expresso deve custar entre R$ 5 e R$ 10, o que ainda está em estudo, enquanto o convencional terá como base as tarifa simples do transporte, hoje de R$ 3,80.
Na estação da Luz, diz a CPTM, devem ser instalados guichês das principais companhias aéreas do país. A estatal diz estar em reta final de negociação com Latam e Gol. Caso avence, os passageiros poderão fazer check-in e imprimir as etiquetas de suas bagagens – por questões de segurança, não será possível despachar as malas diretamente na estação da Luz.

A CPTM planeja ainda construir um elevador numa das torres da Luz, para facilitar o acesso dos passageiros, com suas bagagens, à plataforma de embarque do trem. A abertura do elevador, no entanto, depende da liberação do conselho responsável pelo patrimônio histórico, há que o prédio é tombado.

Testes – A ligação da linha 13-Jade com o restante da malha da CPTM será por meio da estação Engenheiro Goulart, da linha 12-Safira, que liga o Brás ao município vizinho de Poá. Como parte do serviço convencional da CPTM, o passageiro também terá a opção de pegar um trem diretamente do Brás até Cumbica, com paradas, mas sem baldeação.
O plano da gestão Alckmin é que as obras da linha 13-Jade fiquem prontas até abril de 2018, quando o ramal será inaugurado ainda me fase de testes. A operação comercial deve ser iniciada em julho.