MTST quer a inclusão de integrantes em programas sociais na cidade

O Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) vem intensificando suas ações em Guarulhos desde o mês de abril. Nesta terça-feira (26), integrantes do grupo realizaram marcha, a partir da praça Getúlio Vargas, na região central, até a Secretaria de Habitação, na Vila Fátima, para pressionar a gestão Guti. O intuito é integrar os participantes do movimento nos programas habitacionais da cidade.
O primeiro ato do MTST na cidade ocorreu em abril com a ocupação de área destinada à construção do Parque Tecnológico. A partir daí, as ações do movimento vem se intensificando. “Chegamos a abrir negociação [com a administração], mas precisa arrumar uma solução para o caso. O movimento está aqui reivindicando moradias. Eles fecharam as portas [da secretaria], às 14h”, disse Zelídio Barbosa, representante do MTST.

A manifestação desta terça tinha como propósito a incorporação dos ocupantes, que estão no terreno do Jardim Centenário, na Ponte Alta, e da ocupação Salgado Filho nos programas sociais destinados para a habitação. Cerca de 400 manifestantes participaram do ato, que também provocou interdição parcial da avenida Otávio Braga de Mesquita.

“Estão aqui 300 famílias que estão com ordem de despejo da ocupação da Salgado Filho, além de 8.100 famílias do Jardim Centenário, e outras 1.800 da ocupação Hugo Chaves, do Ponte Alta”, concluiu Barbosa. A Polícia Militar acompanhou a marcha pelas ruas da cidade, e não divulgou número de participantes.

Já o governo municipal, por meio da Secretaria de Habitação, recebeu líderes dos manifestantes do MTST, que reivindicaram apoio da prefeitura para intermediar e tentar evitar as reintegrações de posse das ocupações do Jardim Centenário e Hugo Chaves. Uma nova reunião está agendada para o dia 4 do próximo mês.

Antônio Boaventura
[email protected]

Foto: Ivanildo Porto