Pais alegam banheiros com infiltrações e solo cedendo em escola no Jardim Presidente Dutra

Os pais das crianças que estudam na Escola da Prefeitura de Guarulhos (EPG) Mariazinha Rezende Fusari, localizada na rua Itaparantim, n° 1321, no bairro do Jardim Presidente Dutra, alegam que o local estaria abandonado pela prefeitura, já que teria problemas nos banheiros, como infiltrações e parte do solo, que estaria cedendo.

A situação da possibilidade da reforma da escola estaria em tramitação desde o ano passado, quando os pais começaram a questionar a parte estrutural do local. “No dia 25 do mês passado, houve um entupimento na cozinha, impossibilitando a utilização”, afirmou o pai de uma aluna de quatro anos, o líder de qualidade, Ramon Pereira de Almeida, 29.

De acordo com Almeida, o mais preocupante é que algumas manutenções na escola foram os próprios pais dos alunos que realizaram. “A minha filha chega em casa e diz que a escola está velha”, destacou, revelando que na ocasião dos problemas na cozinha, foi servido somente leite e biscoitos para as crianças.

Além destas reclamações, Almeida também alega que o uniforme escolar prometido para o mês de março, até o momento ainda não chegou, e segue sem previsão. Já os leites que as crianças ganham, os pais não recebem desde abril. Em relação ao problema do leite, de acordo com a prefeitura, a entrega é realizada bimestralmente e são destinados dois quilos para cada criança, sendo  um quilo para cada mês. “A última entrega foi realizada em abril,  e a próxima está programada para junho”.

Sobre os problemas estruturais, como tubulação envelhecida e teto com infiltração, a administração municipal destacou que já foi aberto um processo de reforma na escola. “A Secretaria de Educação, Cultura, Esporte e Lazer (Secel) está desenvolvendo um cronograma para execução das obras fora do horário de funcionamento da escola, no período de recesso escolar, minimizando os transtornos para toda equipe e alunos da unidade escolar”.

Sobre o material escolar prometido para março, a secretaria destaca que por conta da greve dos caminhoneiros e a falta de combustíveis, a entrega dos uniformes escolares foi afetada e com a situação se regularizando, este processo será retomado.

Reportagem: Ulisses Carvalho

[email protected]

Foto: Divulgação