Habitação conta com R$ 83 milhões para diminuir déficit de moradias

O secretário municipal de Habitação Fernando Evans participou na tarde de sexta-feira (8) da audiência pública de sua pasta relativa à Lei de Diretrizes Orçamentárias-LDO 2019 realizada na Câmara de Guarulhos. Segundo ele, a Secretaria terá para o próximo ano cerca de R$ 83,8 milhões para solucionar uma dos maiores problemas do Município, ou seja, a demanda cada vez maior por moradias.

Evans explicou que a Secretaria tem três departamentos que detêm os programas habitacionais. São eles o Desenvolvimento Habitacional, de Ação Comunitária e o de Assuntos Fundiários. Cada um deles trabalha com programas específicos, como Pró-Moradia, Urbanização Integrada e o Convênio de Trabalho Técnico-Social. Este último mereceu um detalhamento por parte do secretário. Segundo ele, o convênio visa orientar as pessoas que passam a morar em imóveis habitacionais populares. “Elas são treinadas para a convivência em condomínio, a se ajustar a taxas e impostos que nunca pagaram, a fazer a transição da forma mais tranqüila possível”, explicou Evans.

Ao responder perguntas de vereadores sobre a remoção de famílias, Evans esclareceu que, se houver perigo, as pessoas terão que sair de suas casas. Segundo o secretário, a Prefeitura tem a intenção de suspender todas as liminares e remover as pessoas das áreas de risco no menos prazo possível. Depois serão incluídas nos programas de apartamentos e lote sociais. “Para isso contamos com perícias judiciais, que indicam se a situação da área é de remoção ou de regularização fundiária ou urbanização”, acrescentou. Segundo ele, a Defesa Civil identificou cerca de 2 mil famílias em áreas de risco em Guarulhos.

Há em curso projetos de novos imóveis na Ponte Alta e no Jardim Cumbica, além de um projeto de urbanização para o Recreio São Jorge. Além disso, dois chamamentos públicos para a construção de conjuntos habitacionais aguardam liberação do Ministério da Habitação em Brasília. “Depois de concluídas, essas moradias devem atender grande parte da demanda em Guarulhos”, salientou Fernando Evans.