Crise de abastecimento: Preço do gás teve alta superior a 15% em SP

A greve dos caminhoneiros que aconteceu no fim do mês de maio, ocasionou o desabastecimento do gás de cozinha em muitas residências, afetando o dia a dia de brasileiros. Em São Paulo, dentro da plataforma do Chama – marketplace que conecta revendedores de botijões de gás a clientes – cerca de 80% dos revendedores deixaram de operar no período de pico da crise de abastecimento.

Apesar da baixa disponibilidade de locais em funcionamento, a maioria dos usuários do Chama conseguiu adquirir botijões de gás de cozinha com as revendas que tinham produtos em estoque. Todavia, o valor médio praticado ultrapassou a marca dos R$ 75,00. Nos dias que antecederam o desabastecimento, o preço ficava em torno de R$ 65,00, ou seja, houve um aumento de 15% no custo do botijão.

Passado o período de pico da crise, a média atual cobrada pelo GLP, ainda de acordo com o levantamento do Chama, está girando em torno de R$ 70,00 – o que representa 8% de aumento frente ao que era repassado ao consumidor no início de maio.

Risco de revendas ilegais

Com o desabastecimento, a procura por botijões de gás aumentou. Parte disso, segundo especialistas do setor, se deu por conta do pânico causado por um possível risco de prolongamento da greve e falta de produtos. No caso específico do GLP, essa situação favoreceu o comércio ilegal, já que as revendas regulamentadas pela ANP (Agência Nacional de Petróleo) sofreram diretamente os impactos da falta de entregas dos produtos para repasse ao consumidor final. De acordo com limitações de segurança estabelecidas pela ANP, um pequeno comércio botijão de gás não pode ter mais do que 40 unidades de 13kg em estoque.

De acordo com Andressa Cabral, Head of Operations do Chama, entidades ligadas ao setor de gás estumam que 38% desse mercado passa pela mão de revendas não regulamentadas, um problema que para além da economia, se reflete em questões de segurança pública, afinal, os riscos levados ao consumidor são muitos – desde a compra de um botijão que não esteja totalmente cheio até uma peça com válvulas fora de validade.

“As pessoas que vendem o botijão de gás na rua, muitas vezes em bicicletas e motos, e que não têm CNPJ e cadastro na ANP, são clandestinas. E, por isso, não precisam se preocupar com os critérios exigidos pela agência”, explica Andressa. Apesar da fiscalização, que envolve visitas em revendas em um canal de denúncias, os preços abaixo do mercado cobrados pelos clandestinos ainda atraem consumidores desavisados. “É um perigo para toda a família, pois no caso de um vazamento basta uma faísca para provocar a explosão”, complementa.

O aplicativo Chama, além de facilitador na compra de botijões de gás, é também uma ferramenta que garante maior segurança na compra do gás. Isso porque o App só trabalha com revendas totalmente regulamentadas e autorizadas pela ANP. Está disponível nas regiões metropolitanas de São Paulo, Belo Horizonte e Porto Alegre.