Após morte de criança por meningite, pais protestam em frente de escola contra a falta de vacina

Após a morte de um menino de 12 anos, alguns pais de alunos da Escola Estadual Padre Bruno Ricco, localizada na avenida Rio Real, n° 379, no bairro Jardim Presidente Dutra, realizaram um protesto na manhã desta segunda-feira (27), por conta da falta de vacina contra a meningite na rede pública de Guarulhos.

“Após a morte de meu sobrinho por meningite, somente os alunos da sala dele é que foram vacinados”, disse a tia da vítima, a frentista Erika Fernanda Mota, destacando que os demais alunos da escola não teriam sido vacinados devido à falta de vacinas contra meningite na cidade.

Devido ao problema com a morte da criança e também a falta de vacina, de acordo com Erika, muitos pais não estariam enviando os filhos para a escola. A criança morreu na semana passada, no dia 22, e foi enterrada no Cemitério Nossa Senhora do Bonsucesso.

Veja a nota da Secretaria da Saúde: 

A Prefeitura de Guarulhos esclarece que não há surto de meningite no município, o que somente se caracteriza quando há pelo menos dois casos confirmados da mesma doença, no mesmo período e na mesma localidade.
Com relação ao caso do óbito do garoto de 12 anos, aluno da Escola Estadual Padre Bruno Ricco, a Secretaria de Saúde faz os seguintes esclarecimentos:
O paciente deu entrada na madrugada da última quarta-feira (22) no serviço de pronto-atendimento Maria Dirce, onde foi prontamente atendido, colheu exames e foi transferido às 9h15 para o Hospital Geral de Guarulhos com suspeita de Meningite, onde entrou em óbito às 11h30. O caso está sob investigação, uma vez que a causa da morte somente poderá ser confirmada após a conclusão dos exames coletados pelo Serviço de Verificação de Óbitos e encaminhados ao Instituto Adolfo Lutz, na Capital.
A Vigilância Epidemiológica já tomou todas as medidas necessárias de acordo com os protocolos recomendados pelo Ministério da Saúde e Organização Mundial da Saúde, para os casos suspeitos de doença meningocócica ou meningococemia, com a realização de quimioprofilaxia (administração de antibiótico específico para os contatos íntimos e prolongados para eliminação dos focos de infecção). 
As medidas preventivas tiveram início na quinta-feira passada, quando uma equipe da Unidade Básica de Saúde Presidente Dutra, juntamente com a Vigilância Epidemiológica da Região de Saúde, realizou a primeira visita na escola, para solicitar a autorização dos pais e responsáveis para administrar a medicação. Na sexta-feira (24), os alunos da sala onde garoto estudava foram medicados com a primeira dose do antibiótico, bem como levaram as doses subsequentes. Ainda, nesta segunda-feira (27), técnicos da Secretaria de Saúde estiveram na escola para orientações e esclarecimento de dúvidas dos pais e da direção da unidade escolar.
A Prefeitura reafirma, portanto, que não há surto da doença na cidade. Este é o primeiro caso suspeito nessa região do Presidente Dutra. De janeiro até o momento, foram confirmados seis casos na cidade, com três óbitos, além deste que está em investigação.

Reportagem: Ulisses Carvalho

[email protected]