Comparsa de Mizael na morte de Mércia Nakashima tem regime semiaberto autorizado pela Justiça

A juíza Sueli Zeraik, da Vara de Execuções Criminais (VEC), autorizou o vigia Evandro Bezerra Silva, condenado por ser cúmplice na morte da advogada Mércia Nakashima, a progressão de pena para o regime semiaberto. Diante dessa nova decisão, que contou com parecer favorável do Ministério Público, o condenado poderá sair em datas comemorativas, além da possibilidade de arrumar emprego em horário comercial fora da penitenciária.

Atualmente Silva cumpre pena na penitenciária 2 da cidade de Tremembé, no interior de São Paulo. Em 2013, o vigia foi condenado a 18 anos e seis meses de prisão, porém, teve a pena reduzida durante o ano passado para 17 anos e seis meses. O pedido da defesa para a progressão de pena foi realizado no mês de maio deste ano.

O despacho com a decisão da juíza ocorreu nesta segunda-feira (03). Silva teria ajudado o ex-namorado de Mércia, o advogado e policial militar reformado, Mizael Bispo de Souza, que matou a advogada por ciúmes e por não ter reatado o namoro. O vigia teria ajudado Souza levando-o até o local do crime.

Souza atualmente também cumpre pena na penitenciária de Tremembé, pelos crimes de homicídio doloso qualificado por motivo torpe, sem chance de defesa da vítima, pelo qual foi condenado a 22 anos de prisão.

Crime- A advogada desapareceu no dia 23 de maio de 2010, logo após sair de um almoço, quando, de acordo com familiares, teria recebido um telefonema do ex-namorado, sendo considerado o principal suspeito de cometer o crime. Após o desaparecimento, no mês de junho do mesmo ano, o carro da vítima foi encontrado em uma represa na cidade de Nazaré Paulista, no interior de São Paulo. O veículo que estava submerso, estaria com os pertences da vítima e um dos vidros abertos, porém, o corpo de Mércia só foi encontrado no dia seguinte ao veículo.

Foto: Reprodução TV Record