Família questiona erro na aplicação de vacina em bebê na UBS Jardim Rosa de França

Reportagem: Ulisses Carvalho

[email protected]

Os familiares da bebê Maria Eduarda Fantini Pacífico, de um mês e quatro dias, alegam que funcionários da Unidade Básica de Saúde (UBS) Jardim Rosa de França, localizada na avenida Esther Cabral Pagnonceli, n° 48, no bairro do Jardim Rosa de França, teriam errado na aplicação da vacina na criança.

O HOJE visitou a casa da família, que mora no bairro do Jardim do Papai, e de acordo com a mãe, a dona de casa Natália Garcia Pacífico Fantini, 21, Maria foi vacinada na segunda-feira (17), na parte da tarde, porém, na terça-feira (18), depois das 17h, uma funcionária da UBS teria ligado para a mãe informando que a consulta do bebê havia sido antecipada do dia 10 de julho para quarta-feira (19), às 8h.

Além da Natália, o pai da criança, Luiz Henrique Moraes Fantini, 29, autônomo, também acompanhou a esposa e a filha na consulta, e de acordo com o casal, a pediatra da unidade teria informado que os funcionários da unidade erraram na vacina de Maria. A mãe afirmou que estava prevista a filha tomar a vacina pneumocócica 10V ( conjugada), além da VIP e a Penta, porém, acabou tomando a Rota Vírus Humano.

“Após a médica informar o erro, ela somente pediu para esperar como o organismo de minha filha iria reagir, porém, em nenhum momento examinaram ela, e informou que ficou sabendo da aplicação da vacina erra no final da tarde de segunda-feira”, revelou Natália. A avó, Cássia de Moraes Fantini Pacífico, 43, é uma das mais inconformadas com a situação, alegando que chegou a procurar a gerência da UBS, porém, não conseguiu nenhuma resposta.

Natália informou que a médica disse que a bebê só correria risco se tivesse fora do peso ou nascesse prematura. “A Maria Eduarda não está conseguindo dormir, ele sente dores e vamos procurar outro médico. Nunca vai passar pela sua cabeça que você ao levar seu filho no posto, pode estar correndo risco de ele receber uma vacinação errada”, alegou Cássia.

Vacina foi aplicada com 25 dias de antecedência, diz Secretaria da Saúde

Em nota, a Secretaria da Saúde informou que ao contrário do afirmado pela família, a criança foi examinada pela médica. “A família foi chamada para comunicar que a vacina foi aplicada com 25 dias de antecedência – uma vez que é administrada aos dois meses de idade, bem como para orientar sobre os efeitos adversos que a vacina pode causar em qualquer situação, ou seja, mesmo em crianças com mais idade”, destacou a secretaria.

A saúde também informou que a família realizou uma reclamação na secretaria, chegando a ser atendida por técnicos do Departamento de Assistência Integral à Saúde, que prestaram os esclarecimentos aos familiares. “Por fim, informa que a criança não foi medicada porque não apresentou nenhuma reação adversa à vacina e, sendo assim, não há indicação para medicação. Esclarece ainda, que a menina será acompanhada semanalmente, com visita domiciliar agendada para o próximo dia 25 e consulta médica na quinta-feira (27)”.

Foto: Ivanildo Porto