Estado desapropria só 20% dos imóveis para trazer metrô para Guarulhos

Reportagem: Ulisses Carvalho

[email protected]

O trecho entre Penha e Guarulhos, correspondente ao projeto de ampliação da Linha 2 Verde do metrô, não alcançou 20% de desapropriação dos imóveis, segundo informação do metrô, que em nota confirmou que devido a essa situação o trecho ainda não foi autorizado, porém, as desapropriações devem ser incluídas no orçamento de 2020.

“A meta é iniciar as obras no trecho Vila Prudente até Penha no primeiro trimestre de 2020, quando os projetos executivos estiverem aprovados”, informou a nota do metrô, destacando que os projetos executivos tem o objetivo de fornecer todos os detalhamentos suficientes para a execução das obras, incluindo cálculos estruturais, desenhos, especificações técnicas e construtivas, planilha de orçamento e equipamentos necessários para a construção.

A expansão da Vila Prudente até a Penha, ligando a Linha 2 Verde com a Linha 3 Vermelha, terá a construção das estações Orfanato, Água Rasa, Anália Franco, Vila Formosa, Guilherme Giorgi, Nova Manchester, Aricanduva e Penha. Já o trecho que levaria até Guarulhos, teria as estações Penha de França, Tiquatira, Paulo Freire, Ponte Grande e Dutra, as duas últimas seriam construídas na cidade.

No relatório Integrado no qual destaca a previsão orçamentária prevista para esse ano, o metrô havia reservado R$ 121.251 milhões para essa ampliação da Linha Verde. Caso o projeto se concretize, essa seria a primeira extensão do metrô fora da capital paulista. A retomada da expansão do metrô foi anunciada pelo governo no inicio deste mês, com uma extensão de 8,3 km.

Metrô prepara edital para projeto básico do trecho Bosque Maia-Anhangabaú, da Linha-19 Celeste

O metrô também confirmou ao HOJE que após a conclusão do projeto funcional da Linha-19 Celeste, está preparando o edital para a contratação dos estudos para o projeto básico do trecho Bosque Maia- Anhangabaú. “Somente após a contratação e a conclusão deste estudo será possível saber com precisão os locais para construir as estações, considerando fatores como localização próxima ao trajeto da via e facilidade de acesso, além de procurar minimizar os impactos ambientais, ao viário e ao entorno”.

No relatório integrado do metrô, também constava no relatório a reserva de recursos para Linha-19 Celeste, com a previsão da destinação de R$ 50 milhões para a elaboração de projetos deste trecho.

Foto: Governo de SP