Quatro GCMs são presos acusados de matar jovem no Cocaia

Reportagem: Ulisses Carvalho

[email protected]

Agentes do 1° Distrito Policial, com o apoio do Setor de Homicídios e Proteção à Pessoa de Guarulhos (SHPP) e do Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos (Garra), prenderam os guardas civis Diego Mudeh Braga, 33, Fábio Soares dos Santos, 37, Alex Martins de Santana, 42 e Dário Bezerra de Araújo, 41, acusados de matar a tiros o jovem Lucas Magaton Almenara, 23.

A prisão ocorreu na tarde de sexta-feira (15), e de acordo com o boletim de ocorrência lavrado no 1° Distrito Policial, um amigo de Almenara afirmou a polícia que os guardas exigiram a saída de algumas pessoas do estabelecimento devido ao uso de drogas. A vítima estava com o amigo na casa noturna Resenha Lounge Bar, localizada na avenida Brigadeiro Faria Lima, na altura do n° 374, no bairro do Jardim Cocaia.

A testemunha e o jovem teriam sido retirados da casa noturna por dois GCMs após serem flagrados fumando maconha. Os dois guardas realizavam um bico de segurança no local. Almenara e o amigo, após a saída da casa noturna,  foram embora e pararam na avenida Vereador Antônio Grotkovski, na madrugada de sexta-feira (15), quando de acordo com o boletim de ocorrência, foram abordados novamente por um dos guardas, que conseguiu alcançar Almenara e baleou o jovem.

O amigo da vítima teria se escondido próximo a um córrego e disse a polícia, que teria visto o amigo implorar para não ser morto, quando um dos guardas teria efetuado diversos disparos  contra o jovem. Almenara chegou a ser encaminhado para o Hospital Padre Bento, porém, não resistiu aos ferimentos e morreu.

No sábado (16), após audiência de custódia, a Justiça converteu a prisão dos quatro suspeitos em preventiva. Segundo o boletim de ocorrência repassado ao HOJE pela Secretaria de Segurança Pública do estado de São Paulo (SSP), as armas dos guardas foram apreendidas e encaminhadas para a perícia. O caso foi registrado como homicídio qualificado por motivo fútil.

O enterro do jovem ocorreu no domingo (17), no cemitério na Vila Rio de Janeiro.  Um dos suspeitos que foram presos, Diego Mudeh Braga, faz parte do grupo de elite da GCM, a Ronda Ostensiva Municipal (Romu).

“A GCM lamenta os fatos e informa que a Corregedoria da corporação acompanha o trabalho da Policia Civil e, além de afastar imediatamente os suspeitos,  instaurará um procedimento interno para apurar os fatos e tomar as medidas cabíveis”, destacou em nota.

Foto: Reprodução Rede Social