Luciano Hang nega acusações e diz ser perseguido pela CPI da Covid

DF - CPI-COVID-19-DEPOIMENTO-LUCIANO-HANG - GERAL - O empresário Luciano Hang chega para prestar depoimento na CPI da Covid-19 no Senado Federal em Brasília (DF), nesta quarta-feira (29). 29/09/2021 - Foto: FáTIMA MEIRA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

O empresário Luciano Hang usou sua fala inicial na CPI da Covid para refutar que tenha sido negacionista na pandemia de covid-19 ou participado de um gabinete paralelo de assessoramento do presidente Jair Bolsonaro na crise. Ao longo da pandemia, Hang incentivou o chamado tratamento precoce da doença, mesmo sem eficácia comprovada, e fez coro aos ataques de Bolsonaro a prefeitos, governadores e ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Recentemente, o empresário foi citado no caso Prevent Senior. Foi num dos hospitais da rede que a mãe de Luciano, Regina Hang, de 82 anos, morreu, em fevereiro deste ano, e teve o atestado de óbito fraudado.

“A CPI não tem nenhuma prova contra mim”, disse Luciano Hang, afastando ser negacionista e afirmando acreditar nos riscos da doença e na vacina. “Sou vítima de um conjunto de narrativas única e exclusivamente por eu não ter medo de falar a verdade, expor e mostrar o meu apoio. Sou acusado sem provas e perseguido por apenas dar a minha opinião”, disse.