Agente de leitura promove oficinas em projeto social na Vila Carmela

Foto: Divulgação

Visitar recordações, lembranças pessoais e trabalhar com a criação da memória coletiva. Dentre as ações de fomento à leitura desenvolvidas por Danielle Carvalho da Silva Santos, jovem de 22 anos, bolsista do programa Agentes de Leitura, estão as oficinas realizadas pelo Projeto Girassol, coletivo formado por mulheres em 2018 no bairro Vila Carmela, região de Bonsucesso, onde ela mora com seus pais.

O programa Agentes de Leitura é uma iniciativa da Secretaria Especial de Cultura do governo federal, em parceria com a Prefeitura de Guarulhos e a Secretaria de Cultura que prevê a concessão de bolsas de complementação de renda a jovens com residência fixa no município.

Durante a primeira oficina, realizada no mês passado, Danielle abordou o tema “Memórias” e utilizou como recurso um varal de poesias. “As participantes deveriam escolher um poema que remetesse à sua história; depois, em voz alta, fazer a leitura e compartilhar o porquê de sua escolha”, explicou a jovem.

Para esse encontro, do qual participaram dez mulheres, Danielle selecionou os textos “O Mal e o Sofrimento”, de Leandro Gomes de Barros; “Casamento”, de Adélia Prado, “Simplesmente Sertão”, de Leandro Flores, “Poema sem Nome”, de Patativa do Assaré, “Brisa”, de Manuel Bandeira, “Consolo na Praia”, de Carlos Drummond de Andrade, e “Poemas para Saudosistas”, de Anna Lara Souza.

Danielle conheceu o Projeto Girassol através de sua mãe, que também frequenta as oficinas oferecidas pelo espaço. Para além da possibilidade de inserir a leitura em um contexto de empoderamento feminino, a jovem observou a iniciativa como uma oportunidade de trabalho com atividades de fomento ao livro, à leitura e à literatura.

“Tem sido incrível, me colocou em contato com pessoas próximas, estamos trocando experiências. Sempre soube que a leitura era importante, mas não sabia que, em meio a um processo de aprendizagem, ela poderia ser verdadeiramente transformadora, pois essas atividades chegam mais rápido às pessoas”, afirma Danielle.

Fomentando a leitura em mim

Unir sua experiência da leitura com o teatro também tem sido, segundo a jovem, “incrível”. Danielle está no último semestre do curso de bacharel e licenciatura em Artes Cênicas da Faculdade Anhembi Morumbi.

Ela estudou nas oficinas do Teatro na Comunidade, no Adamastor, e participou de criações bem interessantes que o grupo espalhou pela cidade durante o período de atuação, dentre elas a mostra Teatro na Comunidade com o espetáculo Mundo Perfeito. É integrante da Cia Unó e atua como auxiliar de direção musical, coreógrafa e atriz no espetáculo Rubro. Danielle também é professora de artes da rede estadual.

A jovem conta que decidiu participar do programa Agentes de Leitura porque sempre quis se dedicar a atividades que pudessem transformar a sociedade.

“Meu intuito com as oficinas do Projeto Girassol é valorizar as histórias e vivências que essas mulheres possuem, entender o quanto elas são fortes e presentes na sociedade, muitas das quais já têm idade avançada, vieram da região nordeste do país, trabalham ou não, outras trabalham em casa, mas não têm esse trabalho reconhecido”.

O sucesso da primeira oficina com as participantes do projeto foi tão grande que a segunda, realizada no último dia 29, contou com um número ainda maior de mulheres. Danielle propôs o tema “Estima”, com um trabalho com a autoimagem, o cuidado, o elogio à outra e a si mesmo, com textos motivacionais e reflexivos ditos entre elas.

“Esse trabalho de transformação é diário, em cada atividade que faço, o texto que escolho, tudo causa um impacto nas pessoas que saem do encontro transformadas. Por isso, as atividades têm uma característica sensível, para que as mulheres possam olhar para si, e o teatro ajuda nesses momentos de improvisação, as leituras fluidas encontram sentido naquilo que tem sido proposto”, explica a jovem.

Projeto Girassol

As oficinas do Projeto Girassol acontecem quinzenalmente, às segundas-feiras, e têm como objetivo oferecer suporte, prestar atendimento e promover encontros sobre temáticas como empoderamento, autoestima e outras demandas do universo feminino.

“O trabalho da Dani no Girassol é muito especial e veio para somar com o projeto. Ela tem muito respeito pelo próximo e grande entusiasmo pelo que faz. O resultado desse trabalho com as meninas é bastante positivo, elas se envolvem com o encontro, com as leituras dos textos, dos poemas, identificam-se com as situações, partilham e comentam, tudo acaba sendo uma rica troca de experiências entre todas nós”, conta Mauricélia Ventura da Silva, conhecida como Célia, de 53 anos, uma das idealizadoras do projeto.

Temáticas pertinentes à igualdade feminina, saúde e prevenção de doenças, delegacias especializadas, apoio psicológico, violência psicológica, moral ou sexual, homofobia, família, direitos humanos, direcionamento a outros profissionais quando necessário. Silvana Testa, cofundadora do projeto e psicóloga, conta que a equipe também se dedica a campanhas de arrecadação de alimentos, rodas de conversas, palestras, dinâmicas e aulas de violão.

“O projeto surgiu em parceria com a Célia. Antes de estarmos no nosso espaço, uma das participantes ofereceu sua casa para que as oficinas começassem a acontecer e, desde então, realizamos esses encontros quinzenalmente, sempre às 19h30”, explica Silvana, enfatizando que o grande sonho da equipe é ampliar o atendimento do projeto para outros públicos, além do feminino.

Além de Silvana e de Célia, a equipe do projeto também é composta pela social media Nayuri Seyfarth e a psicóloga Camila Santos.

Apontando para o futuro, Danielle acredita que também deveria haver um projeto de cravos, um encontro de homens, que também precisam aprender a ouvir e juntos tentar lidar com um comportamento masculino estrutural passado de geração para geração.

“Às vezes, as mudanças vão acontecer de pouquinho em pouquinho, e eu acho que é exatamente isso que o Projeto Girassol faz. Quando a gente junta essas mulheres e conversa sobre violência doméstica, que elas não podem aceitar essa situação, quando falamos sobre a questão da mulher no mercado de trabalho, ou de depressão, cuidado consigo mesma, isso desperta uma força nessa mulher e, se conseguirmos uma sociedade com mulheres mais fortes, que reconhecem o seu valor, a gente automaticamente incentiva uma sociedade mais igualitária, porque elas deixam de aceitar situações de violência”.

Para saber mais sobre o Projeto Girassol, acompanhe suas redes sociais no Facebook (https://www.facebook.com/Projetogirassolong/) e Instagram (https://instagram.com/girassol_project?utm_medium=copy_link).